A diretoria do Al Wahda pretende entrar em contato nos próximos dias com o Palmeiras para tentar agilizar a chegada do meia Valdivia. O chileno já tem tudo apalavrado com os árabes, mas só deve se apresentar depois do dia 17 de agosto, data em que se encerra o vínculo com o time brasileiro. E ainda passará por exames médicos antes de assinar contrato. Enquanto isso, outros clubes sondam o jogador e o último que parece demonstrar interesse é o Guangzhou Evergrande, time chinês comandado por Luiz Felipe Scolari.

Sem temer a concorrência, os árabes divulgaram em seu site oficial que não correm risco de perder o meia, já que existe um pré-acordo firmado, e que pretende tentar antecipar sua chegada.

"Ao contrário do que foi noticiado nos últimos dois dias de outras ofertas por Jorge Valdivia, a diretoria confirma que o jogador assinou um documento antes da final da Copa América, e que a negociação é considerada válida pelo clube. O clube tenta agora persuadir o Palmeiras a liberá-lo antes do próximo 17 de agosto para juntar-se à pré-temporada", explicou o Al Wahda, em nota divulgada apenas na versão árabe do site.

Segundo o jornal El Mercurio, do Chile, os chineses ofereceram US$ 10 milhões (cerca de R$ 31,6 milhões) para Valdivia e um contrato até dezembro de 2017, enquanto os árabes fizeram a oferta de US$ 6 milhões (R$ 18,9 milhões) e acordo válido até o meio de 2017.

A chance do meia deixar o Palmeiras antes do dia 17 de agosto é pequena. O presidente Paulo Nobre já avisou que não pretende liberar Valdivia antes do fim do contrato, por causa de um acordo firmado entre o clube e o conselheiro Osório Furlan, dono de 36% dos direitos econômicos do chileno.