O empate do América ante a Caldense, na estreia do Campeonato Mineiro foi sofrido, mas o técnico Givanildo Oliveira preferiu relativizar a atuação irregular da equipe. Após a partida, o treinador elogiou a disposição do time, mesmo sob o forte calor em Poços de Caldas, valorizou o ponto conquistado e projetou seis pontos nas próximas rodadas.

O Coelho vai enfrentar, em sequência, o Villa Nova, na quinta-feira (24), às 19h, e o Tupi, no domingo (27), às 17h, no Independência. "Temos três dias e foi muito bom passar este jogo (contra o Villa) para quinta, porque temos três dias para recuperar e ganhar esses dois jogos em casa", comentou.

Para Givanildo, a mudança de postura do primeiro para o segundo tempo está associada à chuva que caiu no Ronaldão e ao papo de vestiário.

"Uma das coisas que falei foi que a gente estava com domínio de bola, estava com posse de bola. Tomamos o gol, mas estávamos com posse de bola. Daí (no segundo tempo) nós cameçamos a avançar mais, a marcar mais em cima. Não deixamos eles jogar e ficamos com mais posse de bola ainda, tanto que eles voltaram e fizeram tipo uma retranca e nós tivemos força de vontade para ir lá e empatar", analisou.

O América conseguiu manter dois tabus com a vitória deste domingo. Está há 12 anos sem perder para a Caldense há seis sem derrota na estreia do Estadual. "Tabu é bom. Mas melhor ainda é ter o resultado, um empate fora de casa é um bom começo. Eles tinham mais ritmo, fizeram amistosos, tiveram mais tempo de preparação. Tempo de treino daqui pra frente será fundamental", sustentou.