Para enfrentar o Palmeiras pelo jogo de volta das oitavas-de-final da Copa do Brasil, na quarta-feira,  às 21h30, em São Paulo, o técnico Enderson Moreira não deve contar com dois jogadores que foram titulares no início do jogo deste domingo, diante do Botafogo, no Independência, vencido por 1 a 0 - o terceiro triunfo em três partidas disputadas em casa, no Brasileiro. 

O meia Zé Ricardo, substituído ainda no primeiro tempo por Juninho, autor do gol, e o atacante Judivan, que fazia sua estreia como titular no Coelho e deixou o campo na segunda etapa, dando lugar a Rafael Moura, tiveram problemas musculares e dificilmente terão condições de atuar na Arena Palmeiras.

No caso de Judivan, Enderson já adiantou que será poupado, mesmo que a lesão deste domingo não seja grave. "É um jogador que ficou dois anos e meio fora de atividade e o corpo de um atleta não se recupera tão rapidamente. Temos feito um processo de readaptação e nas últimas semanas percebemos que ele já poderia nos ajudar em campo, mas estamos conduzindo isso com muita tranquilidadfe", afirmou o treinador. "Na quarta-feira, ele não vai ter condição de jogar e nossa expectativa é de que ainda leve um tempo para se firmar", acrescentou. 

Zé Ricardo, por sua vez, será observado. "Teve uma lesão que preocupou, a princípio, mas ainda temos que ver se foi só um susto", ressaltou o treinador. Enderson preferiu não revelar quem podem ser os escalados para as duas vagas, mas garantiu que o América tem como característica, nesta temporada, a manutenção do padrão de jogo, independentemente das peças em campo. 

"Embora o placar diante do Botafogo tenha sido mínimo, acho que fizemos uma apresentação madura, consistente. O importante é que nossa equipe criou uma forma de jogar que todos os atletas entendem. Ou seja, temos a capacidade de mudar uma ou duas peças, de um jogo para outro, e não perdemos nossas características", afirmou.

Autores da jogada que deu a vitória de hoje ao América depois de sair do banco de reservas, o atacante Rafael Moura e o meia Juninho endossaram as palavras do treinador, em relação à consistência do grupo independente da formação em campo. "O importante para nós é o coletivo", afirmou o He-Man, que deu bela assistência a Juninho. "O Enderson vem fazendo um rodízio de atletas no time e todos que entram procuram corresponder", completou o companheiro, que fez o gol de biquinho, no canto esquerdo do goleiro Jefferson.

O treinador americano comemorou o resultado diante dos cariocas, que fez com que o Coelho se aproximasse do pelotão de frente do Brasileiro. Mas, "pela última vez", conforme frisou, lamentou o que ocorreu na partida anterior pelo campeonato, contra o Ceará, em Fortaleza. O time mineiro vencia por 2 a 0 e cedeu o empate já nos descontos, em um pênalti polêmico apontado pela arbitragem. Se tivesse vencido, estaria hoje entre os quatro primeiros. "Doeu muito porque merecíamos ter saído de lá com três pontos, e não um. Mas é o que sempre falo: temos um grupo que nem se entusiasma muito nas vitóias, nem sente muito as derrotas", disse. O América se reaprensenta nesta segunda-feira à tarde no Lanna Drummond, treina e, no dia seguinte, embarca para São Paulo, onde enfrenta o Palmeiras na quarta-feira.