Equipe de melhor campanha na fase de classificação da Liga de Basquete Feminino (LBF), o Unimed/Americana faturou, nesta segunda-feira (27), o seu terceiro título em cinco edições do torneio. A conquista do time comandado pelo veterano Antônio Carlos Vendramini veio no terceiro jogo da final contra o Unissau/América, por 79 a 77, na cidade homônima no interior de São Paulo.

O time de Americana conta com a base da seleção brasileira no seu elenco, com destaque para as pivôs Clarissa (MVP da temporada) e Damiris, as alas Chuca e Palmira e as armadoras Babi e Joice. Em 18 jogos na fase de classificação, o Americana só perdeu um, para o América, em Pernambuco.

Depois, nos playoffs, o Americana atropelou o Barretos nas quartas de final e o Maranhão Basquete na semifinal. Na decisão, perdeu em Recife por 74 a 67 e igualou a série vencendo o segundo jogo, em Americana, domingo, por 78 a 73.

Vice-campeão, o América é o mesmo time que na temporada passada jogou com a camisa do Sport Recife. O clube rubro-negro decidiu encerrar o projeto, que foi adotado pelo América. As pivôs Erika e Nádia, a ala Tati e a armadora Adrianinha estão entre os destaques que trocaram de clube.

Assim, essa pode ser considerada a terceira final seguida entre os dois clubes. O Sport ganhou em 2013, com o Americana dando o troco em 2014 e agora em 2015. O time do interior já havia sido campeão em 2012, sobre o Ourinhos. Na primeira temporada da LBF, o Santo André venceu.

A preocupação agora é com a continuidade dos clubes. Dos 10 times que participaram do torneio, só quatro fizeram mais pontos do que sofreram. Pelo terceiro ano seguido, os semifinalistas foram os mesmos, com Americana e América sobrando sobre Maranhão e São José.