"Vencer, vencer, vencer". Parte do hino do Atlético, o verbo, em expressão, se tornou mantra no elenco do alvinegro nesta reta final do Campeonato Brasileiro. Faltando apenas 10 jogos para encerrar a participação na edição 2020, o Galo ainda sonha com o título, mesmo que os matemáticos apontem menos de 12% de chances.

Entrevistado desta sexta-feira (15), o meio-campista Nathan sabe que o time não terá moleza contra o Atlético-GO, no domingo (17). Adversário da 30ª rodada, o Dragão deu bastante trabalho no duelo do primeiro turno, quando era mandante. Contudo, o Galo levou a melhor e venceu por 4 a 3, em noite de hat-trick de Keno.

"Sabemos da importância da partida. Inclusive, o jogo do primeiro turno, eu retornei de lesão. Ainda consegui marcar um gol e sofrer um pênalti. Eu espero que no jogo deste domingo nós possamos fazer uma grande partida e sair com a vitória, que sempre é o nosso objetivo", relembra Nathan.

Em ascensão nos primeiros meses de Sampaoli no comando e em queda brusca nos fim de 2020, Nathan precisou superar lesões e, principalmente, a falta de ritmo de jogo, para tentar dar a volta por cima. Neste início de ano, inclusive, ele quer voltar a "voar" com a camisa preta e branca. No momento, porém, ele amarga o banco de reservas.

“É ganhar o ritmo de jogo. Eu vinha de um ritmo de jogo muito bom e eu sou um jogador que sempre me dediquei muito e sempre respeitei as oportunidades que recebi aqui, então é continuar trabalhando e focado e quando aparecer as oportunidades, aproveitar da melhor forma e voltar a titularidade o mais rápido possível”,  destaca o meia/volante.

“Treinamos todos os dias muito forte, todos os dias fizemos treinos de muita intensidade é isso que ele (sampaoli) pede no jogo pra nós e eu prefiro jogar três jogos na semana quanto mais a gente estiver dentro de campo, na minha opinião, é melhor”,  finaliza, ao ser questionado sobre o período de 16 dias sem partida oficial para o Atlético, antes de encarar o RedBull Bragantino.