Os dois últimos jogos antes da estreia na Copa das Confederações não serviram só para ajustar o time. Capitão da Seleção Brasileira, Thiago Silva quer que o
comportamento da torcida tanto no empate com a Inglaterra, no Maracanã, quanto na vitória sobre a França, na Arena do Grêmio, sirva de exemplo para que as vitórias no torneio se tornem uma certeza.

"Se o torcedor de Brasília fizer a mesma festa que fizeram no Maracanã e na Arena do Grêmio, com certeza vamos sair vitoriosos", disse o zagueiro, ansioso pela estreia do Brasil na competição no sábado, no estádio Mané Garrincha, na capital federal, diante do Japão.

A impressão do jogador do Paris Saint-Germain é de que os brasileiros já não são tão contestadores com o time nacional quanto antes. "Aos poucos, estamos mudando a imagem. O torcedor do nosso lado é o 12º jogador, com certeza ficamos muito mais fortes com ele nos apoiando", discursou.

Falando também em nome dos companheiros, Thiago Silva promete que a equipe fará a sua parte em campo para merecer o apoio que deseja de quem acompanhar as partidas das arquibancadas. E sabe bem que só se esforçar não será suficiente.

"É muito relativo. A torcida vai vaiar se o time jogar mal. Se estiver jogando bem, vai aplaudir. Em campo, precisamos dessa consciência de se impor, mas ter tranquilidade também nos momentos difíceis", orientou o defensor.

Luiz Felipe Scolari, contudo, adota uma postura de apoio mais independente em relação ao que acontece no campo. Desde sua convocação para a Copa das Confederações, o técnico iniciou um discurso ufanista pedindo até que obras inacabadas sejam minimizadas para que o País tenha uma boa imagem internacionalmente.