Em meio ao rendimento ruim do setor ofensivo do Cruzeiro durante toda campanha na Série B, a defesa, especialmente os zagueiros da Raposa, conseguiram se destacar durante a competição.

Com 32 gols sofridos em 38 jogos, a equipe celeste foi a terceira menos vazada do campeonato, ficando atrás apenas de Chapecoense (21) e América (23). A manutenção dos defensores poderia ser um dos pilares para a montagem do elenco da próxima temporada, que será comandado pelo técnico Felipe Conceição. 

Entretanto, por diferentes motivos, a permanência de alguns dos zagueiros do atual plantel para os próximos campeonatos ainda é incerta. 

Manoel

Um dos principais jogadores da Raposa no Brasileiro, Manoel tem contrato com o clube estrelado até junho deste ano. Com o salário bem acima do teto de R$150 mil, estipulado pela diretoria celeste, o zagueiro, assim como vários outros jogadores do elenco, aceitou a repactuação salarial, em que a Raposa passaria a pagar, parceladamente, o restante dos vencimentos, a partir de 2021.

A questão financeira, aliada ao interesse de outros times, em razão do bom desempenho do defensor na Série B, fazem com que o futuro de Manoel esteja em aberto.

Em entrevista recente ao Hoje em Dia, o empresário do zagueiro, Neco Cirne, não cravou a permanência do jogador na Toca da Raposa II, mas afirmou que a tendência é de que ele fique no clube até junho, quando se encerra o vínculo.

Em seu retorno ao Cruzeiro, após empréstimos ao Corinthians e ao Trabzonspor-TUR, Manoel, que tem 30 anos, disputou 26 jogos, todos pela Série B, e marcou cinco gols.

Cacá

Mesmo tendo perdido a posição de titular durante o Brasileiro, Cacá é visto como dos principais ativos do Cruzeiro. Em um momento em que o clube atravessa a pior crise econômica dos 100 anos de história, a venda do jovem defensor, de 21 anos, é vista como umas principais alternativas para sanar os débitos com os funcionários.

Com negociações em andamento com o futebol japonês, o jogador, inclusive, ficou de fora do jogo contra o Paraná – em que seria titular - pela última rodada da Série B, na última sexta-feira (29).

Léo

Em recuperação de uma lesão no joelho direito, que inclui um tratamento nos Estados Unidos, o zagueiro Léo não entra em campo pela Raposa desde setembro. Também com vencimentos acima do teto atual, e com pouco espaço nos último meses, o atleta tem a permanência incerta.

Titular durante a primeira parte da temporada passada, o jogador caiu de rendimento, até se lesionar, e ficar um longo período afastado.

Com 401 jogos e 22 gols pelo time celeste, o defensor, que recentemente completou 33 anos, tem grande identificação com o clube estrelado, onde atua desde 2010.

Garantidos

Com a indefinição sobre a situação dos companheiros, apenas dois zagueiros tem a permanência confirmada para a próxima temporada: Ramon e Paulo. O primeiro conquistou a posição de titular durante a Série B e, com atuações consistentes, fez boa dupla com Manoel.

Aos 18 anos, Paulo atuou em duas partidas pela Raposa na Série B, já na reta final da disputa. No último jogo, diante do Paraná, fez a estreia como titular, com uma atuação segura.

Apesar da pouca idade, também é visto dentro do clube como um dos jogadores mais promissores que surgiram na base nos últimos anos.

Outro zagueiro que oficialmente consta no elenco do Cruzeiro é Dedé. Sem atuar desde 2019, em razão de uma lesão no joelho direito, o zagueiro trava uma batalha judicial com a Raposa, em que cobra verbas trabalhistas atrasadas e pede a rescisão unilateral do vínculo.