Indagado ao fim do empate sem gols com o Boca Juniors, nessa terça-feira (13), em La Bombonera, a respeito do que seria necessário corrigir para que o Atlético possa superar o adversário na partida de volta das oitavas de final da Libertadores, Cuca negou que tenha algo a ser revisto no time alvinegro e preferiu ressaltar os pontos fortes do oponente.

“Não é corrigir problema. O adversário marcou bem, mudou o jeito de jogar. Não era o Boca de anos passados. Mudaram atletas, estão com mais jovens, correm mais, disputam toda bola”, afirmou ele.

Mas o ponto mais curioso em sua análise veio logo em seguida. “Uma pressão incrível para cima da arbitragem, pressão incrível que o banco do Boca exerce. Só quem está aqui para sentir o tamanho da pressão. Nós soubemos combater todas essas dificuldades e levar para BH um empate que não é um resultado ruim. Queríamos ter vencido ou empatado com gols. Mas não é um mau resultado”, completou.

O próximo duelo será disputado na terça-feira (20), às 19h15, no Mineirão. Quem vencer, por qualquer placar, avança às quartas de final para enfrentar o ganhador do confronto envolvendo Argentinos Juniors e River Plate. Se houver outro 0 a 0, a vaga será definida nas penalidades. Empate com qualquer outro placar classifica o Boca. 

Atlético