Nascido em Pradópolis, interior de São Paulo, Cicinho fez parte de um grande time montado pelo Atlético em 2001, sob comando de Levir Culpi. Pelo clube, no qual permaneceu até a temporada seguinte, ele fez 96 jogos e anotou sete gols. Contudo, não guarda saudades daquela época.

Em entrevista concedida ao jornalista Jorge Nicola, na noite desta segunda-feira (29), o ex-lateral revelou ter pago uma dívida milionária ao alvinegro. Para ele, uma grande injustiça. 

Com passagens por gigantes do futebol mundial, como Real Madrid, Villarreal e Roma, além de vários outros no país – além do Atlético, ele atuou em Botafogo, São Paulo e Sport -, o ex-atleta, hoje aos 40 anos, vê o clube mineiro com desdém.

“No ano passado, eu perdi uma ação para o Clube Atlético Mineiro. Tinha uma cláusula que eu tinha que ter notificado se fosse sair do clube. Tive que pagar R$ 3 milhões. Nunca ganhei dinheiro nenhum do Atlético, só para que o torcedor entenda. Tudo o que ganhei lá em quase três anos, tive que pagar agora para que não penhorassem alguns bens meus”, revelou Cicinho.

“Não tenho nada contra o torcedor, mas o Atlético não é uma memória agradável para mim. Teve esta falta de honestidade do clube, que perdeu um dinheiro para o banco Axial, e eu que tive que pagar. Tudo foi resolvido. Não guardo mágoa, mas torço para que o Atlético não se dê bem. Paguei mais R$ 300 mil ao advogado”, acrescentou.

Cicinho ainda disse que pagou R$ 1.800.000 à vista e dividiu o restante em outras três parcelas. 

“Não tenho carinho nenhum pelo clube. Tenho pelos torcedores e pelo time fantástico. Agora, diretoria e todo esse negócio não me agrada não”, finalizou.