No dia 17 deste mês, Dedé viveu a expectativa de ser convocado pela Seleção Brasileira para a Copa América, mas acabou esquecido por Tite. Pouco mais de 24 horas depois, o zagueiro amargou uma nova derrota, desta vez coletiva: a goleada por 4 a 1, sofrida para o Fluminense, no Maracanã.

De jogador ‘intocável’ do Cruzeiro, Dedé tornou-se integrante da pior defesa do Brasileirão, ao lado do Vasco, com 11 gols. Nada que abale a confiança de um dos principais atletas do atual elenco celeste. Até porque os fatos negativos mais recentes são ínfimos perto de vários outros obstáculos que ele superou para voltar à prateleira de cima do futebol brasileiro.

Se em 2013 e 2014 Dedé confirmou as expectativas geradas sobre ele ao ajudar a Raposa a abocanhar o bicampeonato da Série A, as temporadas seguintes reservaram alguns dos mais tristes capítulos de sua trajetória como jogador. Uma série de lesões nos dois joelhos obrigou o defensor a passar por cirurgias e a ficar no estaleiro por longos períodos – chegou a ficar 14 meses afastado dos gramados entre o fim de 2014 e o início de 2016, e mais 13 entre 2016 e 2017.

Durante o martírio, inclusive, precisou suportar críticas, hostilidades e ‘brincadeiras’ de mau gosto de pessoas nas redes sociais.

Só que, amparado por sua fé e com o apoio de familiares, colegas de clube e todo o departamento médico cruzeirense, o zagueiro deu fim ao período de problemas físicos e, desde o ano passado, retomou a coleção de ótimas atuações, fundamentais para a consolidação de títulos como a Copa do Brasil de 2018 e o Campeonato Mineiro desta temporada.

O início de campanha dele e da defesa do Cruzeiro no Brasileirão, no entanto, assustou o técnico Mano Menezes, que, inclusive, classificou como “ridículos” alguns dos gols que os celestes sofreram para o Fluminense.

O duelo de domingo, com a Chapecoense, às 19h, no Independência, pela sexta rodada do torneio nacional, pode ser o início de mais uma volta por cima do beque. E uma coisa é certa: se tem alguém que faz jus à alcunha de “guerreiro”, esse cara é Dedé.

Marca

Ontem, completaram-se seis anos desde a estreia do zagueiro pelo time celeste. Foi contra o Resende-RJ que Dedé debutou com a camisa azul e branca. No dia 22 de maio de 2013, ele colaborou para a goleada da Raposa, por 4 a 0, no Mineirão, pela partida de volta da segunda fase da Copa do Brasil.

Ao todo, o zagueiro disputou 165 jogos e marcou 14 gols pelo Cruzeiro. No currículo, estão sete conquistas: Brasileiro de 2013 e 2014, Campeonato Mineiro de 2014, 2018 e 2019 e Copa do Brasil de 2017 e 2018.