A queima de fogos realizada no início do mês no local em que está sendo construída a Arena MRV,  para comemorar o alvará das obras, se transformou num verdadeiro aprendizado para os envolvidos no projeto da nova casa dos atleticanos; o que era para ser apenas um foguetório, que durou cerca de oito minutos, acabou se tornando uma bela resposta social.

Ali pertinho do pátio, bem de frente às obras, uma pequena atleticana, autista, ao invés da euforia, viveu minutos de desespero com o barulho, mesmo num dia tão especial para o clube de coração. Julya Castro, de 10 anos, precisou ser confortada pela mãe a cada estouro.

"A obra é muito bem-vinda, mas poderiam pensar um pouco nas crianças. A criança que é autista, tem esta sensibilidade a fogos. No Brasil, em alguns lugares, a queima está sendo proibida. Depois que começaram com o foguetório na Arena, alguns vizinhos também entraram na festa", conta Edilaine Castro, a mãe.

"Ela (Julya) tem uma sensibilidade muito grande. Começou a chorar, pedir colo e para protegê-la. Entrei em desespero, porque também não sabia o que estava acontecendo. Tive que pegar água e dar um banho nela, porque ela começou a tremer. Demorou um bom tempo para ela estabilizar; quando ela entendeu que era algo do Atlético, ficou mais tranquila", acrescenta a educadora. Segundo ela, cerca de sete crianças com autismo moram ao redor da futura nova casa dos alvinegros.

Aproximação entre Arena MRV e a família

Para que a situação não se repetisse, Edilaine entrou em contato com a Arena MRV, por meio de mensagem privada no Instagram. Surpresa com a rápida resposta, ela ainda teve um outro presente.

Nesta sexta-feira (25), Julya ganhou um kit especial, que a deixou em êxtase. Uma garrafinha personalizada e um abafador, presente este que ela não largou um minuto sequer. Além do brinde, a pequena e a mãe tiveram a promessa de que sempre que houver alguma queima de fogos no local, a família será avisada. Isso deve se estender também a toda vizinhança.

"Eu não esperava que eles fossem responder tão rápido; principalmente, de uma forma tão bonita. A Julya ficou muito feliz. Ela é fã do Tardelli e desde pequena usava camisa do "Galo Doido", como ela chama o time", relata Edilaine.

"Ela precisa de estímulo. Aos poucos, pode ir se acostumando, principalmente por saber que se trata de algo do Atlético. Ela tem birra do Cruzeiro e do Flamengo, time do avô. Gosta apenas do Galo" (risos), conclui.

Além dos presentes, Julya e a mãe foram convidadas para conhecer o Centro de Excelência, que será inaugurado neste sábado (26). Elas irão no início da próxima semana. Como na inauguração haverá queima de fogos, a baixinha poderá experimentar o abafador. Avisadas com antecedência, desta vez não passarão pelo susto daquele dia em que as obras, enfim, puderam começar a todo vapor.

"O que foi mais gratificante foi a carta que nos mandaram, dizendo que hoje terá queima de fogos. Fiquei, como mãe, principalmente de autista, muito feliz", finaliza.

asas