wagner pires de sá, cruzeiro, raposa

 

O ex-presidente do Cruzeiro Wagner Pires de Sá afirma que uma nota oficial assinada em seu nome e que está sendo divulgada pelo Whatsapp não foi escrita por ele. Apesar de negar a autoria da carta que dentre outras coisas faz críticas ao Conselho Gestor e ao "modus operandi" de algumas ações tomadas pelo grupo, o ex-dirigente diz que concorda com praticamente tudo que está escrito no documento. "Li por alto, mas a carta fala muitas verdades que eu concordo", disse em contato com o Hoje em Dia.

Wagner Pires de Sá recebe muitas críticas, que aumentaram, principalmente, após a divulgação do balanço financeiro de 2019 do Cruzeiro. O relatório da Moore, empresa de auditoria, aponta que o déficit do clube no ano passado foi superior a R$ 394 milhões.

"Eu concordo com quase tudo que está na carta, foi no âmago aquilo ali (o conteúdo). Alguns pontos eu até discordo, mas no geral é aquilo ali mesmo", completou o ex-presidente.
Perguntado pela reportagem quais os pontos que "não eram verdadeiros" o ex-dirigente desconversou. Disse que precisaria ler mais o documento, que havia "lido por alto", mas voltou a ressaltar que concordava com boa parte do que a carta apresenta.

Questionado também se iria votar na eleição que definirá o novo presidente do Cruzeiro e do Conselho Deliberativo, Wagner Pires de Sá disse que "sim".

"Eu vou votar. Estou esperando só dar uma tranquilizada. Estão jogando a torcida contra os conselheiros. A política do Cruzeiro está pior que a política brasileira", disse.