Motivo de orgulho do torcedor do Palmeiras e de diversas brigas entre clube e WTorre, o Allianz Parque também se tornou referência quando o assunto é construção de estádios no Brasil. Tanto que a construtora dona da arena já foi procurada por cinco grandes clubes dispostos a conhecer com mais detalhes a casa palmeirense e trabalhar com a possibilidade de levar algo semelhante para suas praças: Santos, Flamengo, Atlético, Coritiba e Sport.

Todos sonham ter novas e modernas casas e veem o rival como exemplo. O jornal O Estado de S. Paulo conversou com representantes da construtora e dos clubes e todos admitiram o contato, mas explicaram que são projetos complexos demais, que estão em estágio embrionário ou até mesmo paralisados.

Há dois pontos que dificultam a caminhada das negociações. O primeiro é a situação econômica do País e, claro, da WTorre. A construtora passa por problemas financeiros, segundo ela, justamente por causa da instabilidade e desconfiança de investidores no Brasil. O outro fator é a incerteza quanto ao sucesso de uma arena nos moldes do Allianz Parque em outras regiões do Brasil.

"Construir uma arena como a do Palmeiras é algo grandioso e que precisa ser observado com atenção", disse um interlocutor ligado à construtora. "É preciso pensar se o lugar onde teria essa nova casa vai ter a receptividade que teve no Palmeiras. O torcedor vai ‘abraçar’ a nova casa e o local poderá ser explorado como acontece hoje? Essa é a dúvida não só da WTorre como de outras empresas que estão no ramo."

O interesse do Santos se acentuou em janeiro do ano passado, quando o presidente Modesto Roma Júnior recebeu o presidente da empresa, Walter Torre, no CT Rei Pelé para uma reunião em foi tratada a possibilidade da construção de uma arena. Uma das ideias seria erguê-la na cidade de Santos, próximo da Vila Belmiro.

Quem também mostrou muita vontade em ter uma nova casa com a ajuda da construtora foi o Flamengo, que já fez pelo menos duas reuniões com representantes da construtora para tratar do assunto. A Odebrecht, Luso Arenas e OAS também procuraram o clube carioca, que deixou o projeto em segundo plano, mas deve retomar as conversas nos próximos meses.

Projeto pronto

O Atlético é quem parece mais decidido a transformar sonho em realidade. Já existe, inclusive, projeto de arena para 45 mil lugares, a ser construída na Via Expressa, no bairro Califórnia, em Belo Horizonte. O estádio está orçado em cerca de R$ 500 milhões e sua utilização seria nos mesmos moldes da casa do Palmeiras, recebendo grandes shows.

O diferencial do projeto é prever uma área aberta para lazer da população. Conversas com diversas construtoras - inclusive a WTorre - ocorrem desde 2014, mas o clube ainda busca parceiros para ajudar a levantar a obra.

O Sport estuda aproveitar a fase de modernização das arenas e deixar a Ilha do Retiro. Para isso, conversou com diversas empresas e a WTorre surgiu como uma das favoritas por ter a experiência do Allianz Parque.

Já o Coritiba fez uma sondagem ainda na gestão anterior, mas inicialmente não deve levar adiante a ideia de deixar o Couto Pereira ou mesmo fazer uma grande reformulação. O clube paranaense está com problemas financeiros, inclusive com dificuldades para pagar salários dos jogadores e precisa no mínimo adiar os planos.

Enquanto isso, Palmeiras e WTorre continuam travando disputas sobre direitos na arena. Há discussões sobre vários pontos. Muitos deles não têm respostas claras no contrato firmado entre as partes e estão sendo levado para a arbitragem, que ainda não tem prazo para ser finalizada. A venda das cadeiras do estádio, por exemplo, é um dos pontos principais de discórdia entre clube e construtora.