Apesar de o Vasco ter aceitado pagar o salário integral do atacante Riascos, o Cruzeiro preferiu trazer o colombiano de volta. Segundo o presidente Gilvan de Pinho Tavares, a diretoria celeste entende que a escolha final sobre a reincorporação ao elenco deve ser feita pela nova comissão técnica comanda pelo português Paulo Bento.

O jogador tem contrato com o clube mineiro até janeiro de 2018 e estava emprestado ao cruzmaltino carioca. Segundo Gilvan, o clube da Colina chegou a fazer algumas propostas para que Riascos continasse emprestado, o que "não seria vantajoso" para o Cruzeiro.

“O Riascos estava emprestado ao Vasco, terminou o contrato, então ele está se apresentando ao Cruzeiro. O Vasco fez propostas melhorando as condições do empréstimo, mas ele é um jogador caro, e agora não é o momento de ficar fazendo essa bondade com outros clubes”, explicou Gilvan.

“Se o clube tiver interesse, deve fazer uma proposta para levar o jogador definitivamente”, finalizou o presidente, dizendo esperar um rendimento correspondente "ao mesmo valor investido" pela Raposa.

 

Empréstimo

Até o último domingo (15), quando o contrato de empréstimo do colombiano acabou, Cruzeiro e Vasco dividiam os custos do jogador, que representam R$ 250 mil por mês. O clube carioca tentava negociar a permanência do atleta no Rio havia alguns meses, mas a Raposa já havia dito que não aceitaria prolongar o empréstimo.

O jogador, por sua vez, afirmava estar adapatado ao Rio de Janeiro, além de ter mais portunidades de atuar no Vasco do que no Cruzeiro. Riascos chegou à Raposa no início de 2015, vindo do Monarcas Morelia, do México. Foram quatro jogos com a camisa celeste. No Vasco, o colombiano era um dos artilheiros do time e foi um dos destaques na conquista do Campeonato Carioca.

Estrangeiros

Com a volta de Riascos, o time celeste chega à marca de sete estrangeiros no elenco. Muito ativo no mercado sul-americano, o Cruzeiro é o clube com mais jogadores de outras nacionalidades na Série A. 

Assim, caso opte por permanecer com todos no grupo precisará fazer um rodízio, porque o regulamento da CBF permite que os clubes relacionem apenas cinco atletas de outras nacionalidades por jogo. 

Além do colombiano Riascos, a Raposa tem no grupo os argentinos Ariel Cabral, Matías Pisano, Sánchez Miño e Lucas Romero, e os uruguaios Arrascaeta e Federico Gino. Este último, porém, tem tem cidadania brasileira, e por isso não é considerado na cota de forasteiros.

*Colaborou Mariana Durães