O Atlético fez uma previsão, no orçamento traçado para 2017, de arrecadar R$ 50 milhões em comercialização de direitos econômicos de jogadores. Um deles, que sequer defende mais o Galo, estará nesta lista. O clube acertou a venda de 50% do zagueiro Tiago Pagnussat ao Bahia, clube no qual ele já estava emprestado.

Contratado em agosto de 2014 ao Atlético, por indiciação do técnico Levir Culpi, o defensor viveu altos e baixos no clube e foi negociado em julho de 2016 ao Bahia, num empréstimo de 12 meses. O clube tricolor irá exercer o direito de compra, conforme o presidente do Atlético, Daniel Nepomuceno, confirmou ao Hoje em Dia

Galo e Bahia já iniciaram conversas sobre a permanência definitiva de Tiago em Fonte Nova desde o começo do ano, quando ambos disputaram a Florida Cup nos Estados Unidos. Faltam partes burocráticas para que o jogador, quando acabar o contrato de empréstimo, já tenha automatizado o vínculo de três anos com o clube baiano.

Tiago Pagnussat virou titular da zaga do Bahia e participou da ascensão do clube à Série A de 2017. Os valores do negócio são mantidos em sigilo, mas já ajudará o Atlético a bancar custos operacionais do futebol, como, por exemplo, a contratação de Elias. Tiago se junta a outros jogadores negociados pelo Galo.

O clube já havia emprestado Hyuri ao futebol chinês, vendido Wescley ao Japão por cerca de R$ 6 milhões. Sem contar a venda do argentino Lucas Pratto ao São Paulo, "a segunda maior" da história do clube, nas casa dos R$ 48 milhões (dos quais o Atlético receberá metade em um primeiro momento).