Atlético e América iniciam neste domingo (2), às 16h, no Mineirão, uma semifinal especial do Campeonato Mineiro, pelo tamanho do significado que o título terá para os dois lados. E isso está diretamente relacionado aos dois treinadores, que assumiram os clubes já com a temporada em andamento, mas com histórias bem diferentes.

Mandante do clássico deste domingo, o Atlético apostou em outro estrangeiro em 2020, Rafael Dudamel, que comandava a seleção da Venezuela. Com ele, o time acumulou vexames, com as eliminações nas Copas Sul-Americana e do Brasil para Unión de Santa Fé, da Argentina, e Afogados, de Pernambuco, respectivamente.
Sampaoli foi contratado após o fracasso diante dos pernambucanos. Treinou o time menos de uma semana, fez 3 a 1 no Villa Nova, em Nova Lima, nas estreia, mas ficou por aí. A pandemia pelo novo coronavírus forçou a parada do futebol por mais de quatro meses.

Jorge Sampaoli e Lisca

Sampaoli e Lisca começam neste domingo uma batalha por vaga na decisão do Campeonato Mineiro

Na parada, ele teve a chance de montar um grupo de jogadores próximo do que deseja, com a contratação de sete reforços e a saída de nove atletas. Além disso, teve tempo para treinar sua equipe, o que é raro no futebol, pois o Atlético voltou às atividades em 19 de maio. E só foi entrar em campo em 26 de julho. Foram mais de dois meses de trabalhos na Cidade do Galo.

Depois de tanto investimento do clube, numa comissão técnica cara, e dos patrocinadores, em reforços que já custaram mais de R$ 100 milhões, não faturar o Campeonato Mineiro ganha sim contornos de fracasso, embora a prioridade atleticana seja uma boa campanha na Série A do Brasileirão, para que possa disputar a Copa Libertadores no ano que vem.

Lisca

A troca de treinador no América aconteceu por um motivo diferente. Foi o sucesso à frente do Coelho que fez Felipe Conceição deixar o clube após comandar a equipe apenas na primeira rodada para assumir o Bragantino, de São Paulo.

A diretoria apostou em Lisca para o seu lugar e o América manteve o padrão. Liderou a fase classificatória do Estadual na maior parte da disputa. Além disso, é o único time das Séries A e B do Brasileiro ainda invicto em 2020.

Agora, eliminar o poderoso Atlético de Sampaoli, nas semifinais, será uma afirmação ainda maior para Lisca. Para isso, ele conta com a vantagem de dois empates ou vitória e derrota pela mesma diferença de gols nas duas partidas entre os rivais, pois fez melhor campanha na primeira fase.

O segundo clássico entre América e Atlético será na próxima quarta-feira (5), às 21h30, no Independência, com mando de campo americano. Após as semifinais, a Federação Mineira de Futebol (FMF) vai se reunir com os dois finalistas para acertar as datas da decisão.

Isso porque as Séries A e B do Campeonato Brasileiro começam no próximo final de semana. E Atlético e América estão envolvidos nessas competições. O Galo, na Primeira Divisão. O Coelho, na Segunda.