O Atlético informou, na tarde desta terça-feira (12), que excluiu do programa de sócio-torcedor do clube os dois suspeitos de cometer injúria racial contra um segurança na partida contra o Cruzeiro, disputada no último domingo (10), no Mineirão, pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro.  

Adrierre Siqueira da Silva e Natan Siqueira da Silva foram flagrados em um vídeo veiculado nas redes sociais pelo jornalista Lucas Von Dollinger, logo após a partida, proferindo insultos de cunho racista contra o segurança Fábio Coutinho, que estava trabalhando no Gigante da Pampulha. 

Os dois torcedores prestaram depoimento nesta terça-feira, no Departamento de Operações Especiais (Deoesp), na Região da Pampulha, em Belo Horizonte. 

Após deixar o Deoesp, Adrierre, que foi apanhado dizendo para o segurança "olha a sua cor", e cuspindo no profissional em seguida, pediu desculpas para a vítima.  

"Pedir perdão ao Flávio Coutinho pela minha atitude impensada naquele momento, dizer que eu não sou racista, eu estou completamente arrependido do que eu falei. Foi num momento de ânimos exaltados na hora do jogo e quero pedir perdão a ele por todos os insultos que eu fiz, pelo cuspe que proferi a ele. Aquilo não é da minha índole, sou um pai de família, crio as minhas filhas para tratar com respeito todos os seres humanos. Quero, se tiver a oportunidade de pedir desculpas a ele, pedir perdão pelo meu ato impensado naquele exato momento. Pedir a ele, toda torcida atleticana, todos amantes do futebol, pessoas que se sentiram ofendidas pelo meu ato. A única coisa que eu quero declarar é que eu não sou racista, tenho parentes que são negros, o meu cabeleireiro que corta meu cabelo há 10 anos é negro. Então minha declaração é essa. Um pedido de perdão a todos", completou, em entrevista coletiva. 

Leia mais

Suspeitos de injúria racial e cusparada pedem perdão e negam racismo

'É esdrúxulo': entidade de combate ao racismo repudia injúria racial no Mineirão

Confira a nota oficial divulgada pelo Atlético

O Clube Atlético Mineiro informa que os dois torcedores identificados pela Polícia Civil, acusados de praticar injúria racial no clássico do último domingo, pertenciam ao programa Galo na Veia, embora inadimplentes. De qualquer forma, ambos foram desligados do programa de sócio-torcedor do Clube. 

Racismo