inter, atlético, réver, thiago galhardo

 

A arrancada do Atlético no Campeonato Brasileiro pela segunda vez consecutiva foi interrompida. Após perder para o Botafogo no Rio de Janeiro, o Galo voltou a tropeçar, dessa vez diante o Internacional, na tarde deste sábado. No estádio Beira-Rio o time alvinegro perdeu por 1 a 0, gol de Thiago Galhardo, na quinta rodada da Série A.

A derrota impediu o Atlético de assumir a liderança do Brasileirão e estaciona o time de Sampaoli com nove pontos. Bahia e Santos agora têm chances de ultrapassá-lo na tabela de classificação. O Galo provisoriamente fica em terceiro, mas caso vençam Ceará e Palmeiras, respectivamente, o Tricolor Baiano e o Peixe derrubam o Alvinegro na tabela.

O próximo compromisso alvinegro é contra o Tombense pela decisão do Campeonato Mineiro. A partida de ida acontece nesta quarta-feira (26), às 21h30, no Mineirão. O mando de campo é do time de Sampaoli, já que a equipe de Tombos tem a vantagem por ter terminado a fase classificatória na liderança.

A partida de volta contra o próprio Tombense será no domingo (30), também no Mineirão, às 16h. A decisão do Campeonato Mineiro interrompe a sequência de partidas alvinegras no Brasileirão.

O jogo

O esquema com três zagueiros, opção de Sampaoli na saída para o jogo, não foi suficiente para impedir que o Internacional praticamente começasse com 1 a 0 no placar. Aos sete minutos, em falha de marcação no setor defensivo atleticano, Patrick com um passe em profundidade surpreendeu a primeira linha armada pelo treinador alvinegro. Aí, Thiago Galhardo abriu o marcador: 1 a 0.

O Atlético não começou bem e mostrava muita dificuldade em segurar a bola, o que atrapalhava na criação de jogadas. Quando conseguia, em lapsos, alguma jogada ofensiva, parava na marcação dos gaúchos.

Substituto de Nathan, lesionado quando estava em sua melhor fase, Hyoran foi o escolhido mais uma vez para ser uma das “válvulas propulsoras” do Atlético. No entanto, o meia não conseguiu emplacar bom aproveitamento novamente. E não só pela marcação colorada, mas também pela inoperância da meia-ofensiva alvinegra.

A realidade é que o jogo após o gol do Internacional teve queda vertiginosa de qualidade. Nem mesmo o Inter teve outra grande chance como a do lance de seu gol. A partida ficou travada pelos erros de passe de ambos os lados e pela forte marcação também.

Aos 34 minutos do primeiro tempo o Atlético até teve boa oportunidade com Hyoran, mas o meia atleticano parou na marcação colorada.

“O Inter marca muito bem, jogo difícil, equipes grandes, que brigam pela liderança. É melhorar para o segundo tempo”, resumiu o lateral-direito Mariano.

Para o segundo tempo o técnico Jorge Sampaoli resolveu abdicar do esquema com três zagueiros. O comandante argentino promoveu a estreia de Eduardo Sasha, que entrou na vaga de Jair, e tirou Marrony, sumido no primeiro tempo, para a entrada de Marquinhos.

As mudanças surtiram efeito e o Atlético até passou a ocupar mais o campo ofensivo, com maior posse de bola (67%), mas faltava efetividade. Enquanto o Internacional já havia conseguido três finalizações no gol de Rafael (de seis no geral) o Galo sequer dava trabalho para Marcelo Lomba. E essa foi a tônica da partida até o fim. O goleiro colorado foi mero espectador durante os 90 minutos, já que o Atlético conseguiu apenas uma finalização certa no duelo.

INTERNACIONAL 1 X 0 ATLÉTICO

Motivo: 5ª rodada do Campeonato Brasileiro
Local: Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP)
Assistentes: Daniel Luiz Marques e Evandro de Melo Lima (ambos de SP)
Gols: Thiago Galhardo, aos 7 minutos do primeiro tempo
Cartão Amarelo: Jair, Junior Alonso, Sampaoli (CAM) / Marcos Guilherme (INT)
Cartão Vermelho: Não houve

INTERNACIONAL – Marcelo Lomba; Saravia, Zé Gabriel, Victor Cuesta, Moisés; Rodrigo Lindoso, Edenilson, Boschilia (D’Alessandro) e Patrick (Rodrigo Moledo); Marcos Guilherme (Musto) e Thiago Galhardo (Peglow). Técnico: Eduardo Coudet

ATLÉTICO – Rafael; Réver, Junior Alonso, Igor Rabello (Allan Franco); Mariano; Guilherme Arana; Jair (Sasha), Allan e Hyoran (Bruno Silva); Keno (Savarino) e Marrony (Marquinhos). Técnico: Jorge Sampaoli