O Atlético 3, São Paulo 0, jogo disputado em 3 de setembro, no Mineirão, fechando a 7ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro, acabou se transformando no ponto de partida para a maior crise da arbitragem brasileira nos últimos anos. O Galo não tem culpa na história, pois também já foi prejudicado pela tecnologia na derrota de 3 a 1 para o Santos, na Vila Belmiro, na semana seguinte, no lance da expulsão do goleiro Rafael, mas acabou entrando de gaiato por uma declaração do chefe da arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba, ao Sportv, na última quarta-feira (14).

Questionado pelo apresentador André Rizek, do Seleção Sportv, sobre um gol do atacante Luciano, do São Paulo, anulado pelo VAR na derrota do tricolor paulista no Gigante da Pampulha, em 3 de setembro, Gaciba garantiu que esse foi o único lance de impedimento em que a tecnologia de vídeo atuou e errou, pois o jogador do time paulista não estava impedimento.

Reinaldo Pepê São Paulo GrêmioNa noite do último sábado, o lateral Reinaldo, do São Paulo, fez falta em Pepê para cartão vermelho, mas não foi expulso pela arbitragem, e cometeu pênalti em Geromel, num lance em que o comando do VAR não sugeriu nem a revisão

Segundo Gaciba, o árbitro de vídeo errou na colocação das linhas que determinariam o impedimento. Quem cometeu o erro foi Rafael Traci, de Santa Catarina, que na noite do último sábado (17), teve uma péssima arbitragem no empate por 0 a 0 do mesmo São Paulo contra o Grêmio, no Morumbi, pela 17ª rodada do Brasileirão.

O time gaúcho foi prejudicado em dois lances importantes segundo Sandro Meira Ricci, comentarista de arbitragem do Sportv, árbitro brasileiro nas duas últimas Copas do Mundo e que comentava a partida. No primeiro tempo, segundo ele, o lateral Reinaldo, do São Paulo, deveria ser expulso por uma falta no atacante Pepê, do Grêmio.

Na etapa final, o mesmo Reinaldo cometeu um pênalti no zagueiro gremista Pedro Geromel numa disputa de bola aérea na área são-paulina.

Trocas

No dia seguinte ao depoimento de Gaciba, de que o VAR errou contra o São Paulo, no Mineirão, quando o jogo contra o Atlético ainda estava 0 a 0 e era dominado pelo tricolor paulista, Raí, que comanda o futebol do clube do Morumbi, e Alexandre Pássaro, que também trabalha na gestão são-paulina, foram à sede da CBF, no Rio de Janeiro, para uma reunião com o comando da arbitragem.

Eram várias as reclamações, a última delas relativa ao jogo da última quarta-feira (14), quando o São Paulo empatou por 3 a 3 com o Fortaleza, no Castelão, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. A reclamação é de um pênalti não marcado no final do confronto por Rodolpho Toski Marques, que seria árbitro de vídeo do confronto contra o Grêmio, no último sábado, no Morumbi. Comandando a partida, em campo, a escala tinha o nome justamente de Rafael Traci, que tinha errado a colocação das linhas de impedimento no Mineirão.

Pela proximidade do jogo contra o Fortaleza, a CBF tirou Rodolpho Toski Marques do jogo São Paulo x Grêmio. Elmo Alves Resende Cunha, de Goiás, foi o árbitro de vídeo, que não alertou Traci das duas faltas de Reinaldo, sobre Pepê e Geromel.

Revolta

A atuação da arbitragem no Morumbi revoltou o Grêmio. E o presidente do tricolor gaúcho, Romildo Bozan Júnior, usou as redes sociais do clube para manifestar a sua revolta: "O resultado do jogo não refletiu a partida. A troca do quadro de arbitragem comprometeu o crédito da arbitragem brasileira e de seus comandantes. O Grêmio foi flagrantemente prejudicado, embora os critérios: pênaltis, cartões e critérios de avaliações sem falar no VAR, novamente omisso. Deslegitimou, desacreditou a arbitragem e o crédito do futebol brasileiro pelo antecedente da influência do São Paulo na troca do quadro arbitral. Chega. Sem mais espaços para imoralidades."

Neste domingo, a posição gremista foi ainda mais forte. E o clube garante que vai à CBF pedir a anulação do confronto com o São Paulo: "Na manhã deste domingo, em face à arbitragem desastrosa e danosa do jogo contra o São Paulo, ocorrido na noite do último sábado, após a concessão da troca do quadro arbitral, o Presidente Romildo Bolzan Jr comunica que pedirá a anulação da partida, bem como investigação da reunião realizada entre membros da CBF com a parte responsável que motivou a mudança na escala do árbitro do VAR”.

Este é o cenário da reta final do turno da Série A do Campeonato Brasileiro, a competição em que o VAR gera mais polêmica em todo o mundo.