Nesta edição do Campeonato Brasileiro, o Atlético anda se especializando em quebrar marcas. O Galo, por exemplo, já passou por Internacional, Grêmio e Ponte Preta, rivais que sempre deram trabalho e mantiveram longos tabus diante do alvinegro, na história da competição. Além disso, após a vitória sobre o Sport (4 a 1), em Recife, cravou a melhor campanha da Série A na era dos pontos corridos.

Porém, Ronaldinho, Bernard e companhia querem mais. Se derrubarem o Santos nesta quinta-feira (26), às 21 horas, no Independência, levarão o Galo aos 31 pontos, no encerramento da 12ª rodada. E alcançar tal pontuação, em tão pouco tempo de disputa, além de selar a liderança, seria um verdadeiro feito por outros dois motivos.

Primeiro, por garantir ao clube quase meio caminho percorrido rumo à sonhada Copa Libertadores. O site Probabilidades no Futebol, do Departamento de Matemática da UFMG, aponta que, com 64 pontos, um time pode carimbar o passaporte rumo à competição continental.

Uma vitória diante do Santos, que seria a sétima consecutiva, também confirmaria a força do Galo neste Brasileirão. Para se ter uma ideia, desde 2003, quando começou a era dos pontos corridos, o clube penou para superar a casa dos 30 pontos.

O mais cedo foi em 2009, na 16ª rodada. Na ocasião, o Atlético, comandado pelo técnico Celso Roth, hoje no rival Cruzeiro, ocupava o segundo lugar da tabela (31 pontos), atrás apenas do Palmeiras.

Só que o desfecho daquele campeonato foi decepcionante. Além de ver o Flamengo campeão, o alvinegro “cedeu” lugar na Libertadores ao Cruzeiro, no episódio das flanelinhas.

CONTRA A DEGOLA

Nos dois últimos Brasileiros, quando lutou contra o rebaixamento, tal marca parecia bem distante do Galo depois do 12º confronto. Em 2010, a equipe somava míseros dez pontos. Só chegou aos 31 na 30ª rodada. Não foi à toa que só escapou da degola nos momentos decisivos da competição.

O drama se repetiu na temporada passada. Depois de 12 jogos, na arrancada da Série A, os atleticanos amargavam o 13º lugar, com 14 pontos. Conquistou os 33 na 31ª rodada, semelhante a 2005, ano em que caiu para a Série B.

Frente ao desfigurado Santos – sem Ganso, Neymar, Rafael e Dracena – o Galo não contará, hoje, com o volante Leandro Donizete, suspenso. Serginho fica com a vaga no meio-campo.

Leia mais na edição digital.