Se dentro de campo, o grupo do Atlético na Copa Libertadores não chega a preocupar, tendo apenas o Colo-Colo, do Chile, como adversário mais forte, fora dele a situação é um pouco diferente na questão da logística. O alvinegro já tem uma viagem longa para o Peru, onde enfrentará o Melgar, em Arequipa, e também a possibilidade de ir ao Equador, caso o Independente Del Valle passe pelo Guarani, do Paraguai, na pré-Libertadores.

Responsável pela logística do Atlético, o supervisor de futebol do Galo, Carlos Alberto Isidoro, está de férias, mas explicou que assim que o departamento de futebol do clube de Lourdes voltar aos trabalhos em 4 de janeiro esta será a prioridade do setor.

O presidente do clube, Daniel Nepomuceno, confirma a preocupação com os deslocamentos, mas prefere não colocar empecilhos para o time tentar o bicampeonato da competição, que conquistou em 2013. "Temos uma viagem um pouco mais complicada para o interior do Peru e aguardamos a definição do outro adversário. O importante é estar bem preparado", resumiu em entrevista à Rádio Itatiaia direito de Luque, no Paraguai, onde aconteceu o sorteio.

Para enfrentar o Colo-Colo não capital Santiago, a delegação não terá muitos problemas para vencer os 3800 quilômetros que separam as duas cidades. Já para jogar em Arequipa, cidade peruana localizada a mais de mil quilômetros da capital Lima, a logística será mais complicada, já que a maioria dos vôos passam pela capital. Mais de 4.500 quilômetros separam a capital mineira de Lima.

Apesar de não confirmar publicamente, a comissão técnica torce contra o time equatoriano na pré-Libertadores para não ter que ir a Sangolquí, na Região Metropolitana de Quito, que também envolveria uma viagem cheia de escalas até vencer os mais de 6.500 quilômetros que separa Belo Horizonte do Equador.