O choro deu lugar, novamente, ao bom humor. Entretanto, as risadas não embaçam a visão crítica. Sem uniforme do Atlético, já tomado o caminho de Curitiba, sua cidade natal, o técnico Levir Culpi, novamente, analisou a demissão do comando do Galo. 
 
O treinador explicou que,  na reunião com o presidente Daniel Nepomuceno, ficou sem saber quais eram as causas de seu desligamento.
 
"O Daniel me chamou e não sei se sentiu um desgaste, uma queda de produção do time, ou um descuido meu no comando ou se acha que precisa de uma mexida, de outro estilo para a outra temporada. Ele não me falou exatamente o que pensava a respeito disso. Mas fez o que eu precisava saber: 'Levir, não vamos continuar'. As razões estão mais com ele do que comigo", afirmou Levir, em entrevista à TV Globo,
 
O ex-técnico do Galo ainda fez uma análise curiosa. Comparou a capacidade de "alguns dirigentes" em avaliar o trabalho do treinador com a própria capacidade de crítico musical.
 
"Alguns dirigentes, eles, por mais que trabalhem pelo clube e sejam apaixonados pelo Atlético, não têm condições de analisar o técnico. Raramente sabem o que acontecem ali, sabem muito pouco. Seria, mais ou menos, como eu analisar o melhor cantor do Brasil. Seria mais ou menos isso. É Roberto Carlos (risos)?"