O técnico do Atlético, Vagner Mancini, reconheceu o primeiro tempo sofrível da equipe diante do Fluminense, na noite deste sábado, no Maracanã. Mas destacou a reação da equipe na segunda etapa, mesmo tendo voltado do intervalo com o grupo que iniciou a partida.

"Demos muito espaço para o adversário no inicio do jogo, e em um lance de bola perdida, levamos um a zero. É lógico que isso muda o panorama da partida. Depois, ficamos mais vulneráveis e podíamos até ter tomado o segundo", disse.

"Realinhamos a equipe no intervalo, com Jair um pouco mais à frente e o Zé Welison jogando mais atrás. Com essa mudança, não sofremos e, acredito, tivemos mais o controle do jogo, chegamos ao empate e podíamos até ter vencido", acrescentou.

O treinador também citou o sucesso das alterações que fez na equipe, no decorrer da etapa final - as entradas de Cazares, Geuvânio e Vinícius. Com as trocas, o Galo ficou mais seguro e perdeu menos bolas, diante de um Fluminense que acabou sendo acuado, em alguns momentos.

Outro ponto positivo, segundo Mancini, foi o "gol de centroavante", o primeiro do time desde que ele assumiu o comando atleticano, marcado por Di Santo aos 43 minutos do segundo tempo.

"Completamos ainda uma sequência de quatro jogos sem perder. Além disso, é bom dizer que todo ponto é importante, sobretudo fora de casa, e ainda mais quando que, com ele, você mantém distancia de quem está embaixo na tabela", afirmou.

Mesmo que o Galo tenha "muito a evoluir", nos cinco jogos restantes do Brasileiro, o treinador mostrou otimismo e projetou a possibilidade até de uma classificação à  Libertadores. "Acho possível ainda. Mais uma vitória e a gente bate a meta de já se livrar de qualquer risco. Como faltam cinco jogos, 15 pontos podem nos dar a chance de sonhar (com a vaga na  maior competição sul-americana)", completou.