No ano passado, ele foi eleito o melhor lateral-direito do país. Antes questionado pela torcida alvinegra, Marcos Rocha ganhou o carinho e a confiança dos atleticanos na campanha do vice-campeonato brasileiro de 2012.

Soberano na posição, o jogador, formado na base do Atlético, tem deixado a desejar em alguns jogos desta temporada. Apesar de prestigiado pelo técnico Cuca, voltou a ser vaiado nas arquibancadas do Independência, situação que tenta mudar a partir do fim de semana.

Domingo, às 16h, Marcos Rocha fará diante da Caldense a 90ª partida com a camisa alvinegra. Uma conversa com o treinador durante a goleada por 4 a 0 contra o Boa, no último domingo, pode ser decisiva para uma mudança de postura dentro das quatro linhas.

“O motivo para o torcedor pegar no pé do Marcos Rocha era simples, eu expliquei para ele. Quando estava saindo um escanteio, ele estava indo moroso para a bola. O torcedor, mesmo ganhando, quer que você vá rápido. Ele se acostumou a ver nosso time assim. No segundo tempo, ele já fez as coisas mais aceleradas”, explica o técnico do Galo, que conta também com Roger e Michel para a posição. Apenas Michel, que veio do Almería em 2012, foi testado, assim mesmo uma vez.

Andanças

Nas 89 partidas pelo Atlético, Marcos Rocha balançou as redes cinco vezes, ajudando o time a garantir 59 vitórias, 18 empates e 12 derrotas.

Aos 24 anos, o atleta, que veio de Sete Lagoas com o sonho de brilhar pelo Galo, precisou de muita força de vontade para superar as barreiras.

Antes de ser escolhido o melhor lateral do Brasileirão 2012, ele passou por Uberlândia, Ponte Preta e América.