“Au revoir” (até logo). Foram essas as últimas palavras do zagueiro Jemerson antes de entrar na sala de embarque do Aeroporto Internacional de Confins, rumo à França, onde assinará contrato de cinco temporadas com o Monaco.

A despedida do destaque atleticano cria um “problemão” para o técnico Diego Aguirre. Com quatro peças principais no elenco, o treinador tem a missão de encontrar rapidamente o companheiro ideal para o capitão Leonardo Silva na defesa central.

As opções vão desde o recém-contratado Erazo, de 27 anos, até o jovem Jesiel, de 21, apontado como uma grande promessa desde as categorias de base alvinegras. Há mais tempo no elenco, Edcarlos e Tiago esquentam essa disputa na Cidade do Galo.

A tendência é que Erazo seja o primeiro escolhido. Ele disputou a última Série A do Brasileirão como titular do terceiro colocado Grêmio e comanda a defesa da Seleção do Equador, líder nas Eliminatórias Sul-americanas para a Copa do Mundo de 2018.

A experiência é vista como um diferencial para a disputa da Copa Libertadores. Contudo, o defensor possui características mais semelhantes às de Leonardo Silva na comparação com Jemerson, famoso pelas antecipações e botes certeiros, além da velocidade na recomposição.

Caso a nova dupla não funcione harmonicamente, Tiago poderá aparecer como uma surpresa. Sem muitas chances desde que chegou ao clube, em agosto de 2014, o atleta de 25 anos foi o eleito para substituir Jemerson diante do Flamengo, na estreia pela Primeira Liga.

“Fiquei sabendo na hora da preleção. Acredito que eu fui seguro. É claro que falta um pouco de ritmo, e perdemos o jogo, o que me deixa muito triste, mas deixo para vocês (imprensa) fazerem as críticas”, disse, logo após a partida.

A escolha inesperada barrou o experiente Edcarlos, de 30 anos. O baiano era o principal cotado para a estreia, já que Erazo não tinha condições legais de jogo, pois ainda não havia sido inscrito na CBF.

Raçudo e bom no jogo aéreo, ele tem a seu favor o papel de liderança no elenco – herdava, inclusive, a braçadeira sempre que substituía o capitão, até o ano passado. Por outro lado, não inspira toda a confiança da torcida no mano a mano com os atacantes e comete algumas falhas de posicionamento.

Revelações

Correndo por fora vem Jesiel. Promovido ao elenco principal em 2015, ele chegou a ser inscrito na Libertadores, mas sequer estreou pelo time. O jovem vem sendo elogiado nos treinos, é considerado um zagueiro técnico e, assim como o antecessor Jemerson, pode render uma futura negociação lucrativa para o clube formador.

O histórico de Aguirre anima o jovem zagueiro, uma vez que o técnico revelou vários garotos da base durante o período à frente do Internacional, no ano passado.

O Atlético ainda conta com um quinto zagueiro. O garoto Gabriel, porém, ainda não deve entrar nessa concorrência. Na sequência do planejamento do clube, o atleta de 20 anos foi promovido ao elenco principal para treinar com o time e adquirir experiência, tal como Jesiel no ano passado.

Questionado sobre os colegas, Jemerson evitou apontar um substituto ideal, mas avaliou que o Atlético está bem servido no setor. “O time está bem, é experiente, e espero que eles tenham um bom desempenho em todas as competições que disputarem”, resumiu o zagueiro de 11 milhões de euros.