Da cidade de Esmeraldas, no noroeste do Equador, para Vespasiano, na região metropolitana de Belo Horizonte. Ao lado do brasileiro Hyuri, os estrangeiros Frickson Erazo e Juan Cazares foram apresentados oficialmente ontem como novos reforços do Atlético.

Os dois jogadores da seleção equatoriana chegam para aumentar a legião de língua espanhola no Galo. O primeiro treino do ano, inclusive, foi comandado por uma nova comissão técnica, toda formada por uruguaios: o treinador Diego Aguirre e seus três auxiliares mostraram intensidade e energia nas orientações durante a atividade.

Contando os argentinos Dátolo e Pratto, são quatro gringos no atual elenco, sendo que ainda resta uma vaga no grupo para um jogador estrangeiro.

O próximo reforço, porém, fala português. E com sotaque mineiro. O atacante Rafael Moura não se reapresentou ao Internacional e, segundo o diretor de futebol do Colorado, Marcos Marino, “tem grandes chances” de acertar com o Galo. O clube mineiro pagará cerca de R$ 150 mil de salário para o atacante, cujo vínculo será de dois anos.

Erazo, que estava no Grêmio, acertou por quatro temporadas. Entretanto, ele tem contrato com o Flamengo até 27 de janeiro, justamente o dia no qual alvinegros e rubro-negros duelarão pela Primeira Liga. Assim, o zagueiro deve ficar fora da partida.

Cazares também assina com o Galo por quatro anos. Ele e Erazo são amigos e companheiros de seleção. Ao saber que o jovem de 23 anos estava nos planos do Atlético, o zagueiro tratou de dar o sinal verde. “Quando soube do interesse, disse a ele que era um grande clube, uma grande instituição, que ele teria a oportunidade e se mostraria para o mundo”, revelou.

Até logo, China

Um ano e meio depois de enfrentar o Atlético na China, durante a intertemporada na Copa do Mundo de 2014, Hyuri também acertou com o clube mineiro por quatro temporadas. Ele chega como aposta para a ponta esquerda equipe, que passou por um revezamento entre Carlos, Thiago Ribeiro, Dátolo e até Patric.

Para conquistar o posto, ele se espelha em Luan, titular pelo lado direito do ataque. “Eu jogo pelas pontas. Comecei a carreira como centroavante, mas gosto da velocidade. Tanto que um jogador que admiro muito nesse estilo de jogo é o Luan. Tem raça, ataca bem, vai para trás. Se tiver que marcar, voltar na linha dos zagueiros, vamos fazer. Quando você compra a ideia do clube, não tem como dar errado”, declarou.
 

Arte