O goleiro Victor foi o escolhido pela assessoria de imprensa do Atlético para conceder entrevista coletiva nesta terça-feira (30), na Cidade do Galo. O jogador foi questionado sobre as críticas que vem sofrendo por parte da torcida atleticana. Mesmo entendendo as manifestações, o camisa 1 não escondeu a chateação pelos questionamentos. 

“A gente é ser humano. Claro que a gente fica triste, mas torcedor é passional. A gente sabe que as críticas vêm desta paixão. Ninguém está imune a crítica. Ninguém está fora de ser colocado em outro patamar que não possa ser criticado. A crítica pode acontecer, mas o respeito não pode faltar”, destacou Victor. 

O jogador saiu em defesa de Chiquinho, preparador de goleiros do clube, que também vem sendo criticado pelos torcedores. Para o dono da meta do Galo há sete anos, não é coerente jogar toda uma história dentro do Atlético por causa dos resultados negativos recentes. Victor, inclusive, fez questão de enumerar as conquistas em sua carreira.

“Em relação a metodologia, em relação ao trabalho, eu acho um tanto quanto injusto porque eu estou nesta parceria com o Chiquinho desde 2008. São 263 jogos pelo Grêmio, 405 jogos pelo Atlético, três vezes melhor goleiro do Campeonato Brasileiro, melhor goleiro da Libertadores, duas vezes melhor goleiro da Copa do Brasil, campeão da Libertadores, campeão da Copa do Brasil, 11 finais disputadas pelo Atlético. Então, se for falar de metodologia, tem que falar desde 2008. Não pode questionar toda a sequência de um trabalho por um mês que as coisas não deram certo pra ninguém. Antes de criticar, você tem que ter base, ter critério”, explicou. 

Victor considera que este momento de instabilidade do Atlético seja normal nos grandes clubes do futebol brasileiro. "É procurar trabalhar. Não existe segredo para o sucesso e não existe segredo para sair de situações delicadas se não for através do trabalho, finalizou.