Uma partida amistosa entre o israelense Maccabi Haifa e o francês Lille, disputado na noite de quarta-feira, na Áustria, terminou em pancadaria. Cerca de 20 pessoas invadiram o gramado com faixas pró-Palestina e agrediram jogadores da equipe de Israel. O árbitro preferiu encerrar o jogo a cinco minutos de seu final, e o Lille, que se prepara para a fase preliminar da Liga dos Campeões, venceu por 2 a 0.

A polícia da cidade de Bischofshofen, que fica na província de Salzburgo, conseguiu controlar a situação rapidamente, e ninguém ficou ferido. O Maccabi Haifa, time no qual atuam vários atletas muçulmanos, informou que os jogadores Idan Vered e Dekel Keinan foram agredidos. O técnico sérvio Aleksandar Stanojevic, da equipe israelense, disse ter revidado as agressões.

Em comunicado, o Maccabi Haifa condenou a agressão sofrida por ser um time que representa Israel, ressaltando que o conflito não ocorreu por "razões esportivas ou futebolísticas". O caso está sendo investigado - os agressores têm origem turca.

O chanceler da Áustria, Werner Faymann, condenou o episódio. "Convidados em território austríaco têm o direito de permanecer em segurança, seja qual for sua origem ou religião", afirmou. "Ataques contra atletas que fazem sua pré-temporada na Áustria são absolutamente intoleráveis. A Áustria defende uma convivência pacífica e que assim deve ser no futuro."

No mês passado, a Uefa afirmou que os clubes de Israel não poderão receber jogos de torneios europeus enquanto a ofensiva em Gaza, que começou há duas semanas e já matou mais de 600 palestinos, não estiver encerrada. As partidas serão disputadas no Chipre.