O Atlético teve um déficit de R$21,8 milhões no exercício do ano de 2018, conforme aponta balanço assinado pelo presidente do clube, Sérgio Sette Câmara. Os dados correspondem justamente ao primeiro ano do dirigente à frente do Galo.

Em 2017, último ano de mandato de Daniel Nepomuceno, o saldo negativo foi de R$25,1 milhões.

Com discurso de austeridade, Sette Câmara reduziu os custos do futebol de R$ 220,8 milhões, em 2017, para R$ 205,1 milhões no ano passado.

Entretanto, o clube teve uma grande queda de arrecadação do futebol profissional, caindo de R$291,2 milhões em 2017 para R$237,7 milhões em 2018.

Um dos principais fatores que contribuíram para a diminuição dos recursos que entraram nos cofres atleticanos foi a queda nas receitas relativas aos direitos de transmissão dos jogos.

Em 2017 foram R$171 milhões arrecadados, já no ano passado as emissoras pagaram R$98 milhões ao Atlético. A queda é justificada pela ausência do time na Copa Libertadores.  

Bilheteria e Patrocínios

Outro dado que chama a atenção no balanço foi a queda brusca na receita de bilheteria. Os recursos advindos desse setor caíram de R$16 milhões em 2018, para R$8 milhões em 2018.

As verbas de patrocínios também apresentaram redução no período, caindo de R$34 milhões para R$26 milhões.

O conselho deliberativo do Atlético vai se reunir no dia 29 de abril para apreciar o balanço financeiro do clube relativo ao ano passado.