Diego Maradona, que fez 345 gols na carreira, ficou há muito para trás, e o próximo ícone do futebol a ser derrubado é Ronaldo Fenômeno (414). Neste clássico de domingo, Atlético e Cruzeiro reúnem dois goleadores históricos do futebol. 

De um lado, Ricardo Oliveira volta a campo para manter a pegada dos três gols da estreia. Do outro, Fred ainda é uma dúvida no time titular, com chances de enfrentar o ex-clube pela primeira vez desde que saiu do Galo direto pra Raposa. 

E foram os três gols do pastor diante do Boa Esporte que fizeram o veterano centroavante de 38 anos chegar a 372 gols na carreira iniciada em 2000. O levantamento dos números de Ricardo foi feito pelo Superesportes.com e divulgado pela assessoria pessoal do atleta. 

Fred mantém 369 gols, segundo dados também de sua assessoria. Após uma temporada marcada por lesão no joelho. Ambos estavam empatados antes do pontapé inicial de 2019. Na média geral, entretanto, ambos estão tecnicamente empatados. São verdadeiros “homens-gol”, com 0,50 gols por jogo na média. Ou seja, a cada dois jogos, Fred ou Ricardo Oliveira guardam uma bola na rede rival.

Ricardo Oliveira, ao contrário de Fred, enfrentou o Cruzeiro na temporada passada e chegou a fazer dois gols na ida da final do Campeonato Mineiro. Pelo Santos, já tinha histórico de gols diante da Raposa.

“É o terceiro jogo do ano e você ainda está numa sequência de pré-temporada e você pega logo o Cruzeiro. Jogos bons de se jogar, contra o maior rival e vamos procurar fazer o melhor, colocar em prática o que o Levir nos pediu”, afirmou o camisa 9 do Galo.

Fred e Ricardo Oliveira somam quase 800 gols juntos: pastor ficou em vantagem no hat-trick da estrei

Fred e Ricardo Oliveira somam quase 800 gols juntos: pastor ficou em vantagem no hat-trick da estreia

ARTILHARIA E COPA
Da mesma geração na qual o Brasil produzia artilheiros em Massa, Fred e Ricardo Oliveira são os últimos artilheiros do Campeonato Mineiro. Em 2018, o pastor fez seis gols (ao lado de Aylon), 12 meses após Fred fazer 10 no Estadual quando ainda defendia o Galo.

No Brasileirão, o “Rei dos Stories” detém o título de maior goleador dos pontos corridos, com 142 gols (é o quarto colocado na lista geral, atrás de Edmundo, Romário e Roberto Dinamite), foi artilheiro em três oportunidades (2012, 2014 e 2016). Quando retornou ao Brasil, Ricardo Oliveira também alcançou o prêmio no torneio, em 2015.

Disputa entre ambos, que remota desde a Copa de 2006. Ricardo, afetado por lesão no joelho, não foi chamado por Parreira, que convocou Fred para ser reserva do “Quadrado Mágico”.