Em um confronto direto pelas primeiras posições, o Boa venceu o Joinville por 1 a 0, nesta terça-feira (18), no estádio Dilzon Melo, em Varginha (MG), pela 36.ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B. O resultado provocou mudanças no G4. O time mineiro voltou ao quarto lugar com 56 pontos. Está igual a Atlético Goianiense e Avaí, mas leva vantagem no número de vitórias: 17 a 16. O time catarinense ficou com 69, já garantido na elite em 2015, e ainda na liderança. Isso porque a Ponte Preta ficou com 68 pontos ao empatar, por 2 a 2, com o América-RN, em Campinas.

Depois de levar 3 a 0 do Sampaio Correa, em São Luis, o Boa precisava mostrar serviço para brigar por vaga na zona de acesso. E dominou bem o jogo, com o técnico Nedo Xavier congestionando o meio de campo. Do outro lado, o Joinville tinha uma baixa importante: o experiente meia Marcelo Costa. Com dores musculares, ele foi tirado do jogo pelo treinador Hemerson Maria.

A entrada de Fabinho praticamente deixou o time catarinense com três atacantes, ao lado de Edigar Junio e Fernando Viana. Mas sem um homem de criação e articulação das jogadas ofensivas. O Boa se aproveitou e teve o domínio das ações em campo, mas não soube finalizar com precisão. Tanto que não acertou um chute perigoso no goleiro Ivan. Mas foi prejudicado pela arbitragem, que não marcou pênalti claro aos 21 minutos, quando Rogério empurrou Fernando Karanga pelas costas.

Mas, no intervalo, Hemerson Maria ajeitou o posicionamento do Joinville, agrupando o meio de campo e diminuindo o espaço para a saída de bola do time mineiro. Com isso, melhorou a marcação e abriu espaços para os contragolpes.

Mas quando tudo parecia sob controle, o time catarinense sofreu o gol. Aos 17 minutos, Tomas tentou a jogada individual, contou com a sorte porque a bola tocou no pé de um zagueiro e sobrou para seu chute forte de esquerda. Um belo gol. Ele é o artilheiro do time, com 13 gols.

Depois disso, o Joinville fez duas trocas com as entradas de Franco e Wellington Saci para ganhar força no ataque. Mas abriu espaços para os contra-ataques do Boa, do jeito que o time mineiro gosta de atuar. E para buscar pelo menos o empate, Hemerson Maria tirou o lateral Murilo para a entrada do atacante Schwenck. Foi para o tudo ou nada.

Aos 29 minutos, aconteceu um fato curioso. Willian Favone iria substituir William Magrão quando percebeu que tinha esquecido a camisa de jogo nos vestiários. O roupeiro teve que correr nos vestiários. Fernando Karanga perdeu duas chances para ampliar. Os últimos minutos foram de pressão total do Joinville, mas a defesa mineira suportou bem até os 43 minutos, quando o jogo foi paralisado porque apagaram duas torres de iluminação do estádio. O jogo ficou parado 12 minutos e no final o Boa só se defendeu. Deu certo.

Nas últimas duas rodadas, o Boa vai atuar de novo em casa, neste sábado, às 16h20, contra o Oeste. Depois vai sair diante do Icasa, em Juazeiro do Norte (CE). O Joinville vai atuar em casa contra o Luverdense, no mesmo dia e horário, e fecha a temporada fora contra o Oeste, no interior paulista.

FICHA TÉCNICA

BOA 1 x 0 JOINVILLE


BOA - João Carlos; Tinga (Franci)(Eric), Thiago Carvalho, Lula e Marinho Donizete; Vinícius Hess, Wellington, William Magrão (Willian Favone), Tomas e Clébson; Fernando Karanga. Técnico: Nedo Xavier.

JOINVILLE - Ivan; Murilo (Schwenck), Thiago Medeiros, Guti e Rogério; Naldo, Anselmo, Fillipe Soutto (Wellington Saci) e Fabinho; Edigar Junio e Fernando Viana (Franco). Técnico: Hemerson Maria.

GOL - Tomas, aos 17 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Marinho Donizete (Boa); Anselmo e Edigar Junio (Joinville).

ÁRBITRO - Felipe Gomes da Silva (PR).

RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Estádio Dilzon Melo, em Varginha (MG).