O Campeonato Brasileiro Feminino de Futebol terá várias novidades. O torneio foi lançado nesta terça-feira (1), na sede da CBF, no Rio de Janeiro.

A principail mudança é a criação de uma segunda divisão. A competição será dividida em Série A1 e Série A2, com 16 clubes cada. Desse modo, haverá acesso e descenso. As duas equipes piores colocadas na A1 em 2017, disputarão a A2 em 2018. Consequentemente, os dois finalistas da A2 em 2017, disputarão a A1 em 2018. E assim a cada ano.

Os participantes da competição serão definidos da seguinte forma: uma vaga será para o campeão da Copa do Brasil de Futebol Feminino 2016, o Audax/Corinthians; outra para o vencedor do Brasileirão deste ano, o Flamengo/Marinha; além de oito para os oito primeiros colocados do Ranking Nacional de Clubes de Futebol Feminino de 2017 e seis para os seis primeiros da classificação final do Campeonato Brasileiro Masculino da Série A 2016. Se ainda houver vagas, serão preenchidas pela sequência da classificação da Série A e depois da Série B do Brasileiro Masculino 2016. Caso necessário ainda assim, o Ranking Nacional de Clubes de Futebol Feminino de 2017 voltará a ser utilizado como critério.

Na Série A2, serão dois grupos de oito clubes cada, com turno único. Chegam às semifinais as duas equipes melhores colocadas de cada grupo. Nesta fase e na final, serão confrontos de ida e volta. Assim, os times que chegarem à final terão disputado 11 jogos, enquanto os eliminados na primeira etapa terão jogado sete partidas.

Premiação

O clube que se classificar para a Série A1 já recebe15 mil reais. Quem avançar para as quartas, mais 20 mil; 30 mil para quem chegar às semis; 60 mil para o vice e 120 mil para o campeão.

Na Série A2 os valores são menores. Os participantes ganharão 10 mil reais, os semifinalitas, 15 mil,além de 30 mil para o vice e 50 mil para o campeão.