Em cinco anos, tudo pode mudar radicalmente. O meia Bruninho, prata da casa do Atlético, é prova viva desta afirmação. De nem relacionado na categoria pré-infantil, quando o alvinegro conquistava a Copa do Brasil sobre o rival Cruzeiro, ele passou a ser importante opção na equipe que termina 2019 buscando ratificar a permanência na Série A do Campeonato Brasileiro.

Filho do ex-volante Bruno, que atuou no clube nas décadas de 1990 e início de 2000, onde completou 260 partidas, o prata da casa de 19 anos já acumula 24 duelos pelo Galo. Contudo, naquele 26 de novembro de 2014, ele nem imagina que iria tão longe assim na carreira.

"Em 2014, eu estava no pré-infantil do Atlético. Estava "largado" e não era nem titular e nem reserva. Eu não era nem relacionado para os jogos. Cada menino ganhou um ingresso. Como eu não estava feliz com aquela situação, fiquei em casa mesmo com os meus pais", lembra Bruninho ao Hoje em Dia.

Apesar das dificuldades para figurar entre os onze titulares naquela época, o meia teve no atacante Alerrandro, amigo desde então, a grande inspiração para voar.

"No infantil, eu já virei titular e comecei a jogar; isso no ano seguinte. Em 2016, o treinador (que comandava as categorias 2000 e 1999) disse que sem o Alerrandro nosso time não jogava, que ele carregava a nossa equipe nas costas. Foi aí que comecei a fazer gols. O Alerrando estava tão acima, que já era titular dos 99. Aquilo ligou uma chavinha em mim e eu me perguntei até quando ficaria na sombra dele. Acabei me juntando a ele e nós jogamos sempre juntos desde então", finaliza.

Fora contra o Bahia

Com um desconforto na região do quadril, Bruninho não foi relacionado pelo técnico Vagner Mancini para o jogo desta quarta-feira (28), contra o Bahia. Com 41 pontos e na 13ª colocação no Campeonato Brasileiro, o Atlético terá pela frente o 10º, que soma 44 até o momento.

No primeiro turno, os baianos vieram a Belo Horizonte e conquistaram vitória importante, por 1 a 0, no Horto.