O time praticamente reserva que o técnico Rodrigo Santana escala neste sábado (24), diante do Bahia, às 11h, no Estádio Independência, na partida que abre a 16ª rodada do Campeonato Brasileiro, terá a missão de manter o ótimo aproveitamento que o Atlético tem atuando no horário, que passou a fazer parte da Série A em 2015.

Justificando a máxima de que Galo desperta cedo, o aproveitamento atleticano nos dez jogos que já disputou às 11h é de 70%.
Quando se trata apenas das partidas disputadas em Belo Horizonte, a eficiência alvinegra é maior ainda. Em seis confrontos, são cinco vitórias e apenas um empate, com 88,9% dos pontos disputados conquistados.

A última partida do Atlético às 11h, pelo Campeonato Brasileiro, foi há mais de um ano. Em 12 de agosto do ano passado, no Dia dos Pais, Ricardo Oliveira fez valer a “Lei do ex” e foi o nome da vitória atleticana por 3 a 1 sobre o Santos, pois o camisa 9 balançou duas vezes a rede do Peixe. O outro gol foi de Elias.

Reservas

Os dois não estarão em campo neste sábado, embora tenham condições de jogo. Com a volta das semifinais da Copa Sul-Americana, contra o La Equidad, da Colômbia, na próxima terça-feira, às 21h30 (de Brasília), no Estádio El Campín, em Bogotá, Rodrigo Santana poupa quase todos os seus titulares.

Apenas o goleiro Cleiton e o zagueiro Igor Rabello estarão em campo, mesmo assim isso acontece por causa das lesões de Victor e Maidana.
Na ida, na última terça-feira, no Independência, o Atlético venceu por 2 a 1 e joga pelo empate na Colômbia ou por derrota por um gol de diferença, mas com o placar a partir de 3 a 2 para o La Equidad.