Os pequenos Heyser, cinco anos, e Carolayne, de dois, ainda são bem pequenos e não entendem praticamente nada de futebol. Mas toda vez que o América entra em campo, eles sempre estão presentes. Nem sempre podem ir ao estádio com a mamãe Sheilla. Mas é o trio que motiva o atacante do América, Marcelo Toscano, cada vez que ele se vê frente a frente com um adversário a ser batido.

Terça-feira, às 19h, contra o Vitória, no Independência, não vai ser diferente. Mas, dessa vez, os três devem estar entre os milhares de americanos que prometem lotar o Gigante do Horto para empurrar o time que precisa de uma vitória e um empate para garantir uma vaga na Série A do Brasileirão.

Ao lado do jovem atacante Richarlison, de 18 anos, Toscano, de 30, é mais uma vez a esperança de gols do Coelho. Com as 13 vezes que balançou as redes na Série B, o atacante é também um dos candidatos ao título de artilheiro da competição.

Apesar de ter nascido em Areado, no Sul de Minas, Toscano vive sua primeira experiência no futebol do Estado. Com passagens por Israel, Portugal e Suíça, o jogador está cada vez mais adaptado a Belo Horizonte. Mas, por causa dos jogos, acaba aproveitando pouco as atrações da capital mineira. “Quando tenho tempo, gosto de ficar em casa com a família, ir a algum restaurante ou parque com as crianças. Sou bem tranquilo”, resume.

Se por um lado os americanos comemoram as boas atuações, por outro bate a incerteza quanto ao futuro do atleta. Com contrato até o fim da temporada, ele já desperta a atenção de várias equipes. O Internacional é um dos interessados. “Fico feliz com o interesse, mas de oficial não chegou nada. É a valorização do meu futebol e do meu trabalho. Mas neste momento estou focado no objetivo de colocar o América na Série A. Depois vamos sentar e conversar”, explica Toscano.

Na vitória de 3 a 1 sobre o Paysandu, na última terça-feira, Toscano mais uma vez foi o destaque da equipe. Marcou dois gols que mantiveram o América na vice-liderança.

“Estamos muito perto. Sabemos que falta pouco. A gente tem conversado bastante sobre isso. Temos que manter a calma porque também não tem nada ganho. Não podemos entrar neste alvoroço, pois temos mais um jogo difícil pela frente na terça-feira”, resume.