A primeira derrota de Rogério Ceni à frente do Cruzeiro certamente foi mais dura que o comandante da Raposa esperava.

Jogando no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, a equipe celeste foi derrotada por 3 a 0 para o Internacional, nessa quarta-feira (4), no jogo de volta das semifinais da Copa do Brasil, e está eliminada do torneio.

Além do revés, chamou a atenção na partida as improvisações adotadas por Ceni no time estrelado.

Sem Orejuela, que está servindo a seleção colombiana, o treinador da Raposa surpreendeu e escalou o volante Jadson no setor, em detrimento ao experiente Edilson, especialista da posição.

Já no intervalo, com a saída de Dedé, que deixou a partida com dores no tornozelo, Rogério Ceni ousou e lançou o volante Ariel Cabral, recuando Henrique para a zaga.

Após o duelo, o técnico do Cruzeiro explicou as opções adotadas diante do Colorado, e minimizou o impacto das improvisações no resultado final da partida.

“O determinante foi que jogamos muito abaixo que a gente poderia produzir, e que o Inter foi superior à gente. Sobre o Jadson, o Edilson deu uma entrevista na segunda-feira, dizendo que tinha poucos minutos de jogo, que estava voltando de lesão. O último jogo completo do Edílson foi no dia 12 de maio. Vamos completar quatro meses que o Edílson não joga 90 minutos. Ele deu uma declaração que precisava de mais minutos, era um jogo decisivo. Eu ao menos quis colocar um jogador que eu treino com ele nessa posição e ele tem a condição para aguentar 90 minutos”.

Ceni também comentou sobre a opção em promover a entrada de Ariel Cabral no time.

O Dedé voltou do intervalo com dor, disse conseguiria voltar, mas quando pisou no gramado, sentiu. Eu precisava ganhar o jogo. Tinha que colocar um jogador para trás que tivesse a melhor saída de jogo, e esse jogador é o Henrique. Eu ponho o Ariel, recomponho o meio de campo com Ariel e Robinho. A improvisação foi o Jadson realmente na lateral, devido ao Orejuela estar na seleção, ao Weverton estar machucado e o Edílson estar voltando de um tempo parado. Há muito tempo sem jogar 90 minutos”.

Erros

Por fim, Ceni lamentou as oportunidades cedidas ao adversário e novamente enfatizou a situação de Edilson.

“Os erros em que surgiram os gols, na verdade foram erros de passes, de construção de jogo, nós demos as oportunidades pro Inter quando construímos errado o jogo. Na minha cabeça o Edilson jogaria. Na declaração que ele deu, disse que gostaria de ter tido mais minutos, que ele não se sentia extremamente pronto para o jogo, e eu achei que era um jogo muito importante para eu correr o risco de ter que fazer outra substituição’.

Eliminado das copas, o Cruzeiro volta o foco para o Campeonato Brasileiro. Na 16ª colocação, com 18 pontos, a Raposa enfrenta o Grêmio, neste domingo (8), às 11h, no Independência, pela 18ª rodada da competição.

Leia mais

Cruzeiro não faz jus à fama de “time de guerreiros”, sofre com o Inter de Guerrero e é eliminado

Eliminação na Copa do Brasil faz com que Cruzeiro deixe de ganhar até R$64,35 milhões

Irritado, meia Thiago Neves contesta decisões de Rogério Ceni na derrota para o Inter