Começou a era Rogério Ceni no Cruzeiro. Apresentado na tarde desta terça-feira (13), na Toca da Raposa II, o novo técnico da Raposa chega com a missão de dar fim à péssima fase do time na temporada e retomar o caminho das vitórias na temporada. 

Logo em suas palavras oficiais como novo comandante celeste, Ceni fez questão de comemorar a oportunidade de comandar a equipe estrelada. 

"Para mim honra, clube que enfrentou várias vezes,me tirou títulos. Espero que esse que falta na minha carreira podemos vencer juntos. Camisa lindíssima, centro de treinamento também. Espero corresponder a expectativa de vocês, fazer o Cruzeiro subir na classificação, que não condiz no lugar que o clube se encontra".

O ex-jogador do São Paulo também comentou sobre a fama de carrasco do Cruzeiro, clube que mais sofreu gols de Rogério em toda sua carreira, sendo sete no total. 

Apesar da marca expressiva, Ceni negou o rótulo de algoz da Raposa, lembrando as derrotas marcantes que sofreu para a equipe celeste.

"Não existe vítima, fiz muitos gols e tomei também. Talvez eu tenha sido mais vítima. Minha Libertadores acabou aqui em 2015, meu último sonho de fazer tri da Libertadores, Fábio pegou mais pênaltis que eu, perdi a Copa do Brasil em 2000. Sofri pelo grande time que é", completou.
1999

Iniciando sua trajetória como treinador do Cruzeiro, Rogério Ceni lembrou que sua caminhada na Toca da Raposa poderia ter começado ainda em 1999, quando atuava pelo São Paulo.

"Vai fazer 20 anos isso. Goleiro do Cruzeiro era André. Naquele momento houve uma possibilidade de negociação. Ele para o São Paulo e eu para o Cruzeiro. Não se concretizou, construí minha carreira toda no São Paulo. E agora quero construir uma história longínqua e vencedora no Cruzeiro", destacou Ceni, que defendeu o São Paulo de 1990 a 2015, ano em que se aposentou como atleta profissional.