Centenário do Cruzeiro - 1941 a 1950: Segunda Guerra Mundial faz o Palestra Itália virar Cruzeiro

Alexandre Simões e Thiago Prata
@oalexsimoes @ThiagoPrata7
30/12/2020 às 17:11.
Atualizado em 27/10/2021 às 05:26
 (Cruzeiro/Arquivo)

(Cruzeiro/Arquivo)

O clube vive a maior transformação de sua história. Por causa da Segunda Guerra Mundial, em 1942 a Societá Sportiva Palestra Itália tem de mudar de nome, e surge o Cruzeiro Esporte Clube.

E o novo nome dá sorte, pois o Campeonato da Cidade (Mineiro) é conquistado em 1943, 1944 e 1945, o segundo tricampeonato da história do clube; já tinha alcançado a façanha em 1928, 1929 e 1930.

Na metade da década, é reformado o velho Campo do Barro Preto, que se transforma num estádio com arquibancadas de alvenaria e capacidade para 15 mil torcedores. Dentro de campo, começa o maior jejum de títulos estaduais da história.Cruzeiro/Arquivo

Os craques

O goleiro Geraldo II foi uma marca cruzeirense na década de 1940. Venceu o Campeonato da Cidade em 1943, 1944 e 1945, mas além disso, como pedreiro, participou no período da reforma do Estádio do Barro Preto, que foi ampliado e ganhou arquibancadas de alvenaria no período.

Além dele, Niginho seguiu como um grande ídolo palestrino e, depois, cruzeirense, em parte da década de 1940, sendo também destaque na conquista do tricampeonato de 1943, 1944 e 1945.Cruzeiro/Arquivo

Além dele, merece destaque Juvenal, lateral-esquerdo que em 1945 foi convocado por Flávio Costa para treinamentos da Seleção Brasileira. Outro grande nome é Alcides, que, já veterano, ganhou a trinca de 1943 a 45. O time tricampeão tinha ainda Azevedo, Juca e Ismael, jogador que marcou o primeiro gol do clube com o nome de Cruzeiro Esporte Clube.

No final da década, surgiu Abelardo, o Flecha Azul, um grande ídolo dos cruzeirenses.Arte: Patrícia Silva

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por