Fuga de patrocinadores, perda de visibilidade na mídia e queda nos investimentos públicos. É nesse contexto que serão conhecidos na noite desta quarta-feira (29) os vencedores da 18ª edição do Prêmio Brasil Olímpico, com quase um trimestre de “atraso” e mais de sete meses após o encerramento dos Jogos Rio-2016.

A mais importante premiação esportiva do país foi adiada pela primeira vez desde a sua criação, justamente no ano em que o Brasil sediou a Olimpíada e obteve a melhor campanha da história, com 19 medalhas (sete de ouro, seis de prata e seis de bronze).

Segundo o COB (Comitê Olímpico Brasileiro), a única justificativa para a mudança foi a falta de datas no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, pois o local da cerimônia teve os trabalhos paralisados por uma greve no fim do ano passado.

Durante a solenidade, serão homenageados com troféus os 43 melhores esportistas de 2016 em cada uma das modalidades olímpicas, dentre eles os mineiros Bruno Soares (Tênis), Maicon Andrade (Taekwondo) e Jaquelino Mourão (Desportos na Neve). Porém, somente os três vencedores (categorias masculina, feminina e Atleta da Torcida), receberão uma gratificação em dinheiro, no valor de R$ 30 mil cada um. Paga desde a edição de 2010, a bonificação nunca teve reajustes.

Prejuízos

A crise financeira após os Jogos é uma realidade para o COB. Em 2017, o comitê deverá receber cerca de 17,3% menos recursos da Lei nº 10.264/2001 (conhecida como Lei Agnelo/Piva), que destina ao órgão parte dos lucros das loterias federais. São esperados aproximadamente R$ 200 milhões, após R$ 242 milhões no ano passado.

Um dos reflexos desta previsão será a queda nos repasses às confederações esportivas nacionais. O próprio comitê informou que esta verba terá uma redução de R$ 13 milhões (ou 14%) em relação ao ano passado: de R$ 98 milhões para R$ 85 milhões em 2017.

Volta à realidade

O “atraso” na premiação foi um intervalo suficiente para que grande parte dos medalhistas olímpicos e demais atletas de alto nível sentisse os efeitos do “apagar dos holofotes” após a Rio-2016.

É o caso de Maicon Andrade, destaque do ano no taekwondo. Desde a conquista do inédito bronze masculino na modalidade, o lutador nascido no distrito de Justinópolis, em Ribeirão das Neves, viu minguar os recursos para treinos e competições.

A assessoria de imprensa do atleta informou que ele disputou apenas uma das dez competições do calendário internacional no período (o GP do Azerbaijão), "em função de toda a indefinição na Confederação Brasileira de Taekwondo (CBTKD)".

Segundo a Agência Estado, em reportagem publicada no início deste mês, Maicon só recebeu o prêmio de R$ 12,5 mil pela medalha mais de dois meses após ter subido ao pódio no Rio. O lutador mantém os trabalhos graças ao apoio do programa Bolsa Atleta (Ministério do Esporte), da Prefeitura de São Caetano do Sul (SP) e da Força Aérea Brasileira.

Novas medalhistas

Durante a premiação no Rio de Janeiro, serão entregues as medalhas de bronze do revezamento 4x100m feminino dos Jogos de Pequim-2008, herdadas pelo Brasil. Entre as contempladas está a ex-velocista mineira Lucimar Moura.

Leia mais:
Melhor tenista pela quarta vez, Bruno Soares elege 2016 como melhor ano da carreira
‘Nova’ medalhista olímpica, mineira Lucimar Moura alerta para queda no apoio ao atletismo
Seis meses após Olimpíada, medalhistas são demitidos, perdem parceiros e verbas

MELHORES ATLETAS DE 2016 POR MODALIDADE:

Atletismo: Thiago Braz*
Badminton: Ygor Coelho
Basquete: Nenê Hilário
Boxe: Robson Conceição
Canoagem Slalom: Pedro Gonçalves
Canoagem Velocidade: Isaquias Queiroz*
Ciclismo BMX: Priscilla Carnaval
Ciclismo Estrada: Flávia Paparella
Ciclismo Mountain Bike: Raiza Goulão
Ciclismo Pista: Gideoni Monteiro
Desportos na Neve: Jaqueline Mourão
Desportos no Gelo: Isadora Williams
Esgrima: Nathalie Moellhausen
Futebol: Neymar Jr.
Ginástica Artística: Diego Hypolito
Ginástica Trampolim: Rafael Andrade
Ginástica Rítmica: Natália Gaudio
Golfe: Adilson da Silva
Handebol: Maik Santos
Hipismo Adestramento: João Victor Marcari Oliva
Hipismo CCE: Carlos Parro
Hipismo Saltos: Pedro Veniss 
Hóquei Sobre Grama: Stephane Smith
Judô: Rafaela Silva*
Levantamento de Pesos: Fernando Saraiva Reis
Lutas: Aline Silva
Maratona Aquática: Poliana Okimoto*
Natação: Etiene Medeiros
Nado Sincronizado: Luisa Borges e Maria Eduarda Miccuci
Pentatlo Moderno: Yane Marques
Polo Aquático: Felipe Perrone
Remo: Fernanda Nunes e Vanessa Cozzi
Rugby: Beatriz Futuro
Saltos Ornamentais: Hugo Parisi
Taekwondo: Maicon Andrade
Tênis: Bruno Soares
Tênis de Mesa: Hugo Calderano
Tiro com Arco: Anne Marcelle dos Santos
Tiro Esportivo: Felipe Wu
Triatlo: Manoel Messias
Vela: Martine Grael e Kahena Kunze*
Vôlei: Serginho Dutra*
Vôlei de Praia: Alison Cerutti e Bruno Schmidt

*Finalistas do prêmio de Melhor Atleta do Ano

Com Agência Estado