Com atraso inédito, Prêmio Brasil Olímpico é entregue após ‘abandono’ a atletas da Rio-2016

Cristiano Martins
csmartins@hojeemdia.com.br
29/03/2017 às 12:24.
Atualizado em 15/11/2021 às 13:55

Fuga de patrocinadores, perda de visibilidade na mídia e queda nos investimentos públicos. É nesse contexto que serão conhecidos na noite desta quarta-feira (29) os vencedores da 18ª edição do Prêmio Brasil Olímpico, com quase um trimestre de “atraso” e mais de sete meses após o encerramento dos Jogos Rio-2016.

A mais importante premiação esportiva do país foi adiada pela primeira vez desde a sua criação, justamente no ano em que o Brasil sediou a Olimpíada e obteve a melhor campanha da história, com 19 medalhas (sete de ouro, seis de prata e seis de bronze).

Segundo o COB (Comitê Olímpico Brasileiro), a única justificativa para a mudança foi a falta de datas no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, pois o local da cerimônia teve os trabalhos paralisados por uma greve no fim do ano passado.

Durante a solenidade, serão homenageados com troféus os 43 melhores esportistas de 2016 em cada uma das modalidades olímpicas, dentre eles os mineiros Bruno Soares (Tênis), Maicon Andrade (Taekwondo) e Jaquelino Mourão (Desportos na Neve). Porém, somente os três vencedores (categorias masculina, feminina e Atleta da Torcida), receberão uma gratificação em dinheiro, no valor de R$ 30 mil cada um. Paga desde a edição de 2010, a bonificação nunca teve reajustes.

Prejuízos

A crise financeira após os Jogos é uma realidade para o COB. Em 2017, o comitê deverá receber cerca de 17,3% menos recursos da Lei nº 10.264/2001 (conhecida como Lei Agnelo/Piva), que destina ao órgão parte dos lucros das loterias federais. São esperados aproximadamente R$ 200 milhões, após R$ 242 milhões no ano passado.

Um dos reflexos desta previsão será a queda nos repasses às confederações esportivas nacionais. O próprio comitê informou que esta verba terá uma redução de R$ 13 milhões (ou 14%) em relação ao ano passado: de R$ 98 milhões para R$ 85 milhões em 2017.

Volta à realidade

O “atraso” na premiação foi um intervalo suficiente para que grande parte dos medalhistas olímpicos e demais atletas de alto nível sentisse os efeitos do “apagar dos holofotes” após a Rio-2016.

É o caso de Maicon Andrade, destaque do ano no taekwondo. Desde a conquista do inédito bronze masculino na modalidade, o lutador nascido no distrito de Justinópolis, em Ribeirão das Neves, viu minguar os recursos para treinos e competições.

A assessoria de imprensa do atleta informou que ele disputou apenas uma das dez competições do calendário internacional no período (o GP do Azerbaijão), "em função de toda a indefinição na Confederação Brasileira de Taekwondo (CBTKD)".

Segundo a Agência Estado, em reportagem publicada no início deste mês, Maicon só recebeu o prêmio de R$ 12,5 mil pela medalha mais de dois meses após ter subido ao pódio no Rio. O lutador mantém os trabalhos graças ao apoio do programa Bolsa Atleta (Ministério do Esporte), da Prefeitura de São Caetano do Sul (SP) e da Força Aérea Brasileira.

Novas medalhistas

Durante a premiação no Rio de Janeiro, serão entregues as medalhas de bronze do revezamento 4x100m feminino dos Jogos de Pequim-2008, herdadas pelo Brasil. Entre as contempladas está a ex-velocista mineira Lucimar Moura.

MELHORES ATLETAS DE 2016 POR MODALIDADE:

Atletismo: Thiago Braz*
Badminton: Ygor Coelho
Basquete: Nenê Hilário
Boxe: Robson Conceição
Canoagem Slalom: Pedro Gonçalves
Canoagem Velocidade: Isaquias Queiroz*
Ciclismo BMX: Priscilla Carnaval
Ciclismo Estrada: Flávia Paparella
Ciclismo Mountain Bike: Raiza Goulão
Ciclismo Pista: Gideoni Monteiro
Desportos na Neve: Jaqueline Mourão
Desportos no Gelo: Isadora Williams
Esgrima: Nathalie Moellhausen
Futebol: Neymar Jr.
Ginástica Artística: Diego Hypolito
Ginástica Trampolim: Rafael Andrade
Ginástica Rítmica: Natália Gaudio
Golfe: Adilson da Silva
Handebol: Maik Santos
Hipismo Adestramento: João Victor Marcari Oliva
Hipismo CCE: Carlos Parro
Hipismo Saltos: Pedro Veniss 
Hóquei Sobre Grama: Stephane Smith
Judô: Rafaela Silva*
Levantamento de Pesos: Fernando Saraiva Reis
Lutas: Aline Silva
Maratona Aquática: Poliana Okimoto*
Natação: Etiene Medeiros
Nado Sincronizado: Luisa Borges e Maria Eduarda Miccuci
Pentatlo Moderno: Yane Marques
Polo Aquático: Felipe Perrone
Remo: Fernanda Nunes e Vanessa Cozzi
Rugby: Beatriz Futuro
Saltos Ornamentais: Hugo Parisi
Taekwondo: Maicon Andrade
Tênis: Bruno Soares
Tênis de Mesa: Hugo Calderano
Tiro com Arco: Anne Marcelle dos Santos
Tiro Esportivo: Felipe Wu
Triatlo: Manoel Messias
Vela: Martine Grael e Kahena Kunze*
Vôlei: Serginho Dutra*
Vôlei de Praia: Alison Cerutti e Bruno Schmidt

*Finalistas do prêmio de Melhor Atleta do Ano

Com Agência Estado

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por