Receber Boca Juniors e River Plate não é novidade para o Mineirão, principal palco do futebol mineiro e um dos templos mais tradicionais do país. Contudo, um duelo entre as duas equipes, seria novidade para o Gigante da Pampulha e também algo pioneiro no país.

Após o adiamento da decisão da Copa Libertadores, devido aos incidentes ocorridos nas proximidades do Estádio Monumental, em Bueno Aires, a empresa que gere o estádio mineiro enviou na tarde desta segunda-feira (26) um ofício a Conmebol, se oferecendo para sediar o duelo, caso o mesmo não possa ocorrer na Argentina.

No documento, o Mineirão se oferece para abrir os portões e disponibiliza aos hermanos toda sua estrutura. Os finalistas da Libertadores, caso aceitem, terão que arcar apenas com os custos operacionais da partida. O valor, contudo, depende de vários fatores, como o número de setores que seriam abertos para o confronto, por exemplo.

Reconhecido com uma das melhores Arenas do País, o Gigante da Pampulha recebeu eventos de destaque nos últimos anos, como a final da Libertadores de 2013, quando o Atlético superou o Olímpia, do Paraguai, e ficou com o caneco. O estádio também foi palco de outras duas decisões do torneio: em 1997 e 2009, tendo o Cruzeiro como mandante. Em 2018, o Boca esteve em Belo Horizonte e acabou eliminando a Raposa nas quartas de final da competição mais importante da América do Sul.

Em 2014, o alvinegro encarou o Lanús, da Argentina, e deu a volta olímpica pela Recopa Sul-Americana. Além disso, no mesmo ano, o estádio foi palco de jogos da Copa do Mundo, realizada no Brasil.

A Conmebol definirá data e local do segundo jogo nesta terça (27), em sua sede, em Luque, no Paraguai.

cccc