Aos 46 minutos do segundo tempo, Carlos Lobo arrisca do meio de campo, tentando encobrir Cleiton. Só que o goleiro, atento,tira onda: mata a bola no peito e sai jogando, revisitando o repertório do icônico colombiano Higuita. O lance serviu para coroar duas atuações seguras do arqueiro pela Seleção Olímpica, nas vitórias por 3 a 1 sobre o Chile e, anteriormente, por 2 a 0 em cima da Colômbia.

Nessa quarta-feira (11), ele voltou à Cidade do Galo, com moral elevado e prometendo, no mínimo, manter o nível dessas performances. E pensar que antes desses amistosos, o jovem atleta havia protagonizado um lance bizarro pelo Atlético.

Na última partida antes de servir a Seleção, Cleiton vinha tendo uma boa exibição diante do Corinthians, mas, aos 43 minutos da etapa final, entregou uma bola de graça para o adversário e sofreu o gol que culminou no triunfo do Timão, por a 1 a 0. Confiança abalada? Nada disso. O goleiro levantou a cabeça e partiu para os jogos da equipe canarinho disposto a dar a volta por cima.

“É complicado. O jogo (contra o Corinthians) estava tranquilo, e a gente estava se saindo bem. No final, teve um desentendimento. Tentei sair jogando, mas houve essa infelicidade. E ainda saiu o gol. Eu estava sofrendo um pouco com isso, mas isso faz parte também. Na Seleção, voltei ao normal. Soube filtrar esse momento e levar tudo como um aprendizado”, destacou o jovem arqueiro atleticano.

Neste domingo (15), às 11h, ele voltará a trajar o uniforme alvinegro e espera fechar o gol, como tantas vezes o fez neste Brasileirão. O desafio da vez será contra o Internacional, no Independência, pela 19ª rodada do Brasileiro, a última do turno da competição.
Uma boa atuação do goleiro será fundamental, uma vez que o Galo perdeu os quatro últimos duelos do Brasileirão.

Retrospecto

Cleiton volta ao gol alvinegro contra o Inter. Até aqui, ele já disputou 24 partidas e sofreu 17 gols como arqueiro da equipe profissional do Atlético; média de 0,7 gol a cada 90 minutos.