O goleiro Rafael foi o grande herói da final da Supercopa da Itália nesta segunda-feira (22). O ex-jogador do Santos defendeu o pênalti decisivo que deu ao Napoli o título sobre a favorita Juventus, na partida disputada em Doha, no Catar. O time de Nápoles venceu nas penalidades por 6 a 5 após empate por 1 a 1 no tempo normal e 2 a 2 na prorrogação.

Rafael pegou dois pênaltis e ofuscou o veterano Gianluigi Buffon, que fez três defesas, mas não conseguiu evitar a vitória do Napoli. A Juventus perdeu o título porque as grandes intervenções do seu goleiro foram acompanhadas por cobranças desperdiçadas de Chiellini, que parou no goleiro brasileiro, e Roberto Pereyra, que bateu por cima do travessão.

O triunfo nos pênaltis coroou a sofrida partida do Napoli nesta segunda. O time esteve atrás no placar duas vezes, nos 90 minutos e no tempo extra. E contou com lances decisivos de Gonzalo Higuaín para evitar a derrota. No tempo normal, ele buscou o empate em 1 a 1, ao cabecear para as redes, aos 25 minutos do segundo tempo, após cruzamento De Guzmán.

O gol mudou a história do jogo porque a Juventus estava vencendo por 1 a 0, com gol de Carlitos Tévez marcado logo aos 4 minutos. Ele aproveitara bobeada geral da defesa, quando David López recuou mal e Albiol e Koulibaly se perderam na área. O argentino bateu no canto e colocara o time de Turim em vantagem.

A situação se repetiu na prorrogação. Novamente a Juventus saiu na dianteira no marcador. No primeiro minuto do tempo extra, Pogba fez bela jogada individual pela esquerda e rolou para Tévez, que ainda deu grande corte no marcador antes de bater rasteiro no canto. Desta vez parecia que a Supercopa estava realmente definida.

Até que a zaga da Juventus se atrapalhou para afastar a bola dentro da área e ela sobrou nos pés de Higuaín. O argentino não perdoou e igualou tudo novamente, mantendo o Napoli vivo na disputa e levando o confronto para os pênaltis.

A primeira série foi aberta com falhas dos cobradores das duas equipes, uma delas de Tévez. Sem definição, a disputa exigiu uma nova série de cinco finalizações para cada lado. Foi aí que os goleiros mais brilharam. Buffon, primeiro, ao fazer sua segunda e terceira defesas consecutivas. Em seguida, Rafael também se destacou ao pegar a cobrança decisiva. Ele saltou no canto direito para defender o chute de Simone Padoin e garantir o título ao Napoli.

Foi apenas o segundo troféu do time na Supercopa - a Juventus buscava o 7º título. A partida decisiva, que geralmente abre a temporada, em agosto, só foi realizada neste mês porque o Napoli precisava disputar a fase preliminar da Liga dos Campeões na mesma época. E teve como cenário o país do Oriente Médio por motivos financeiros e também para divulgar o futebol italiano naquela região.