O goleiro Cleiton tem grandes chances de completar sua 15ª partida na equipe principal do Atlético.

Com uma tendinite no joelho esquerdo, Victor, dono da posição, deve seguir preservado e, com isso, não enfrentará o Botafogo, nesta quarta (24).

De acordo com o clube, por meio de sua assessoria, esta decisão será tomada nesta terça, véspera do duelo no Rio de Janeiro. Precavido, Cleiton prefere manter o discurso de que ainda não sabe se será o titular contra o time da Estrela Solitária, que inicia a briga por uma vaga nas quartas de final da Sul-Americana.

"Eu ainda não sei se vou jogar, mas se precisar estou aqui. Muito feliz por ter feito meu segundo jogo pelo Brasileiro. Agora temos um jogo na Sul-Americana. Precisamos desta classificação", afirma o arqueiro.

"Sequência é muito bom para ter confiança de jogar. Fico muito feliz por estar ao lado do Réver, que é um cara muito experiente. Todo mundo está me abraçando bem", acrescenta.

No duelo do fim de semana, empate por 2 a 2 com o Fortaleza, Cleiton experimentou o gostinho de ter, in loco, o pai e a mãe, que o visitam na capital mineira. A presença, inclusive, reservou um fato curioso. Dona Anita Rambo, gritou até perder a voz.

"Se pudesse, eu sempre queria queria que eles estivessem por perto. Minha mãe até brincou comigo, dizendo que ficou sem voz. Falou que gritou muito. Sempre vou fazer o melhor por eles", conta Cleiton.

Apesar da pressão por substituir Victor, o jovem goleiro de 21 anos afirma estar preparado para o desafio. No Galo desde 2013, ele deixou a pequena Belmote-SC, para realizar o sonho de defender um grande clube.