Figurar na elite do futebol nacional. O grande objetivo do time feminino do Cruzeiro para a temporada foi atingido há pouco mais de um mês, quando a Raposa venceu o Ceará por 2 a 1, se classificou para a semifinal da Série A2 do Campeonato Brasileiro e, automaticamente, se colocou entre as quatro melhores equipes do torneio, garantindo uma vaga para a Série A1 na próxima temporada.

Depois do Ceará, veio o Grêmio na semifinal. Mais duas vitórias das cabulosas: final do campeonato contra o poderoso São Paulo à vista. A equipe paulista fez grandes investimentos para a temporada, incluindo a atacante Cristiane, uma das maiores jogadoras do país. O sonho do título para as cruzeirenses ficou um pouco mais distante após a significativa derrota por 4 a 0 no último domingo (18), no Pacaembu.

Embora improvável, até pela qualidade da equipe adversária, a comunidade celeste tem um motivo para acreditar na reviravolta e conquista heroica da Raposa. Como mandante – caso deste domingo (25) – o retrospecto das cabulosas é animador.

Além dos 100% de aproveitamento da equipe mineira em Belo Horizonte, o número de gols marcados em casa chama a atenção. Nas cinco partidas em que foi mandante, o Cruzeiro venceu todas e marcou 17 gols, o que resulta em uma média de 3,4 por peleja, próximo aos quatro gols que obrigatoriamente as cabulosas terão que marcar se quiserem comemorar o título.

Evidentemente, numa final de campeonato, contra uma equipe renomada como a do São Paulo, a frieza dos números há de ser relativizada, mas a confiança e o poder de uma equipe dentro de sua casa buscando um título inédito não pode ser menosprezada.

*Hugo Lobão sob supervisão de Thiago Prata