O Comitê de Ética da Fifa cobrou neste sábado punições a Joseph Blatter e a Michel Platini, alvo de investigações nas últimas semanas em razão de um pagamento suspeito de US$ 2 milhões do suíço para o francês, em 2011. Ambos já estavam suspensos por 90 dias, de forma provisória, desde o início de outubro.

O Comitê de Ética pediu sanções aos dois dirigentes ao finalizar suas investigações. No entanto, não deu detalhes sobre suas conclusões e nem indicou quais seriam as punições adequadas para o presidente da Fifa e para o presidente da Uefa, que tenta se candidatar às eleições da entidade máxima do futebol.

"A câmara investigativa do independente Comitê de Ética apresentou seu relatório final contendo pedido por punições contra Joseph Blatter e Michel Platini ao juiz responsável, Hans-Joachim Eckert", afirmou o Comitê de Ética, em comunicado.

O comitê justificou a ausência de detalhes no informe oficial. "Por razões ligadas à privacidade e à presunção de inocência, até que se prove o contrário, a câmara não vai publicar os detalhes que constam no relatório final e nem as punições pedidas contra os dois dirigentes."

Blatter e Platini passaram a ser investigados pelo Comitê de Ética da Fifa em razão de um pagamento de US$ 2 milhões ao francês, em 2011. O valor, segundo os dois dirigentes, se referia a serviços prestados por Platini à Fifa entre os anos de 1998 e 2002.

O atraso de pelo menos dez anos no pagamento levantou suspeitas, principalmente por ter ocorrido a três meses das eleições presidenciais de 2011, quando o francês desistiu de sua candidatura, abrindo caminho para vitória tranquila do suíço. Ambos alegam inocência no caso.

Inicialmente, Blatter e Platini foram suspensos por 90 dias, o que quase inviabilizou a candidatura do francês nas eleições da Fifa, que serão realizadas no dia 26 de fevereiro do próximo ano. Agora, uma possível punição pode acabar com qualquer chance de Platini participar do pleito.

Preocupado, o francês recorreu da suspensão de 90 dias junto à Corte de Apelações da Fifa. Mas teve o pedido negado. Ele, então, acionou a Corte Arbitral do Esporte (CAS), na sexta-feira, para tentar rever a punição inicial, que o impede de disputar as eleições.