O Comitê Organizador dos Jogos do Rio apresentou nesta quinta-feira (23) o orçamento atualizado para a realização do evento em 2016. A previsão de gastos com a organização é de R$ 7 bilhões, bem superior aos R$ 4,2 bilhões que tinham sido anunciados na candidatura da cidade em 2008.

O orçamento de R$ 7 bilhões do Comitê Organizador, com recursos que virão somente da iniciativa privada, servirá para realizar a operação dos Jogos. Para conhecer o custo total do evento em 2016, será preciso esperar a divulgação dos investimentos dos três níveis de governo, principalmente em infraestrutura, que está prevista para acontecer na terça-feira, quando será apresentada a Matriz de Responsabilidades da Olimpíada do Rio.

O dinheiro do orçamento do Comitê Organizador virá de patrocinadores, venda de ingressos, licenciamento de produtos e investimento do Comitê Olímpico Internacional (COI). E será todo revertido para a operação dos Jogos, com itens como alimentação, acomodação e transporte dos participantes, além de despesas com as competições esportivas e a logística do evento.

"Nós trabalhamos com um orçamento 30% menor do que Londres/2012", afirmou o presidente do Comitê Organizador, Carlos Arthur Nuzman. "Os bons resultados alcançados com patrocínios e licenciamento nos permitem prever uma receita privada capaz de cobrir as despesas apresentadas no orçamento", completou Sidney Levy, diretor-geral do órgão.

Diretor-geral de operações do Comitê Organizador, Leonardo Gryner explicou o valor bem maior em relação ao orçamento que foi apresentado na candidatura do Rio. "Entraram novos esportes, a tecnologia evoluiu, a segurança se sofisticou, os salários subiram acima da inflação do período e as despesas com a Vila Olímpica se tornaram maiores", justificou o dirigente.

Pela inflação no período (variação de 31,89%, com base no IPCA), o valor de R$ 4,2 bilhões saltou para R$ 5,5 bilhões entre 2008 e agora. Assim, houve um aumento real de R$ 1,5 bilhão no orçamento do Comitê Organizador. "Aconteceram novas despesas e novas receitas. O compromisso é com o orçamento equilibrado", disse Leonardo Gryner, durante a apresentação no Rio.