Com a promessa de ser uma das mais equilibradas dos últimos anos, começa nesta quinta-feira (11), no Chile, a 44ª edição da Copa América. Até o dia 4 de julho, 12 seleções, incluindo a Jamaica como convidada, estarão em campo brigando por mais um título do tradicional torneio.

Para o Brasil, que fez na noite dessa quarta-feira (10) o último amistoso antes da estreia, mais do que disputar a taça, será a oportunidade para o técnico Dunga e seus comandados darem o primeiro passo para recuperar o prestígio da Seleção, principalmente após o fracasso na Copa do Mundo do Brasil no ano passado e na última Copa América.

Em um país com paisagens que vão do deserto à neve, oito cidades e nove estádios foram escolhidos para receber Neymar, Messi & Cia. Por causa da mordida no italiano Giorgio Chiellini durante a Copa, o atacante uruguaio Luis Suárez ficará fora. Ele levou punição de nove jogos, e isso impedirá os chilenos de verem de perto o trio de atacantes que levou o Barcelona à conquista da Champions League, no último sábado, no Estádio Olímpico de Berlim, na Alemanha.

Assim como o Brasil, o Chile também teve obras de reformas nos estádios atrasadas e que tiraram o sono dos organizadores, atrapalhando o cronograma. Apesar do alerta da Universidade de Santiago, que chama a atenção para a poluição em algumas sedes, tudo está pronto para a bola rolar a partir dessa quinta-feira.