A Conmebol parece mesmo disposta a mudar a sua tradicional imagem de complacente com os atos de violência vistos nos estádios sul-americanos. Nesta quinta-feira (28), a entidade que rege o futebol na região anunciou que decidiu abrir um processo disciplinar contra Peñarol e Vélez Sarsfield depois dos confrontos entre as duas torcidas, na terça.

No duelo realizado no Estádio Centenário de Montevidéu, pela Libertadores, diversos membros das duas torcidas se enfrentaram na parte das arquibancadas onde havia a separação entre uruguaios e argentinos. Cadeiras, paus e pedras foram arremessados de um lado para outro, deixando sete feridos. Duas pessoas foram presas.

A Conmebol deu até o próximo dia 4 março para que os dois clubes apresentam suas defesas antes do julgamento no Tribunal de Disciplina, criado para esta temporada. O Peñarol pode ser punido nos artigos 6.1, 6.2 e 11.2, como responsável pela segurança dentro do estádio e também pelos atos violentos da sua torcida. Já o Vélez, como visitante, foi enquadrado apenas nos artigos 6. e 11.2.

A pressão para a Conmebol passe a punir com mais rigidez casos de violência cresceu depois que o Corinthians perdeu o direito de jogar com a presença da sua torcida na Libertadores e o São Paulo perdeu um mando de campo na competição. Os brasileiros, principalmente, cobram que as punições sejam aplicadas para todos.