libertadores, lima, conmebol

A bola ainda nem rolou para a final da Copa Libertadores de 2019, mas a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) acumula mais uma polêmica antes do apito inicial de Flamengo x River Plate-ARG, marcado para o dia 23 de novembro. Se o palco do jogo já gerou problemas, agora são determinações da própria responsável pelo campeonato que geram outra discussão. Dessa vez em relação aos objetos que os torcedores não poderão levar ao palco do confronto.

Além daquilo que realmente não pode adentrar ao estádio, como remédios, drogas e afins, a entidade que regula o futebol na América do Sul proibiu o uso de bonés e óculos escuros. Essa deliberação foi divulgada na última sexta em comunicado feito pela própria Conmebol.

Haverá no estádio testes de alcoolemia (bafômetro), já que também será proibido entrar alcoolizado no estádio. As averiguações serão feitas por pessoas nas entradas do estádio Monumental por amostragem. Se o torcedor der evidências de que está bêbado terá que soprar o bafômetro. Em caso do teste apontar positivo a pessoa não poderá ter acesso ao palco do jogo. 

De acordo com a Conmebol, todas as restrições são baseadas na Lei 30.037 do governo peruano, que "previne e sanciona a violência nos espetáculos esportivos" do país. A proibição do uso de bonés e óculos são para facilitar a identificação dos presentes. Correntes e cintos também estão proibidos. 

Apesar disso o torcedor poderá levar ao estádio outros componentes que geralmente a Conmebol proíbe: papel picado, bandeiras com dimensões de até dois metros por um, e balões (enchidos por expiração pulmonar). 

lima, conmebol, peru