No luxuoso Centro de Convenções da Conmebol, em Luque, no Paraguai, o Atlético conhecerá hoje, a partir das 21h (de Brasília), os adversários que irá enfrentar na fase de grupos da Copa Libertadores de 2017. Campeão em 2013 e com cinco participações seguidas, o Galo acumula pontos suficientes nos critérios do ranking da competição para ser um dos oito cabeças de chave.

Numa inédita fórmula de disputa com 47 clubes, com três etapas eliminatórias antes da fase de grupos, a Libertadores 2017 pode colocar na mesma chave do Atlético um velho amigo do alvinegro. Com promessas de realizar um amistoso fracassadas, Galo e Estudiantes podem se tornar rivais durante o sorteio. Enquanto os mineiros estão no pote 1, a equipe de La Plata deve ser alocada no pote 2. Vale lembrar que um grupo não pode ter dois clubes do mesmo país, a não ser que um deles seja proveniente das fases preliminares.

A Conmebol criou, no final do ano passado, antes do sorteio para a edição de 2016 da Libertadores, um ranking de clubes, que baseia a composição dos potes do sorteio. O posicionamento leva em consideração a performance das equipes nas últimas dez edições (2007 a 2016), além de um coeficiente histórico (1960 a 2006) e uma pontuação extra (50) para quem é campeão nacional.

No caso do Brasil, o Palmeiras recebe esses 50 pontos. No Uruguai, por exemplo, o coeficiente histórico tem grande peso. Nacional e Peñarol, que não ganham um título desde a década de 1980, serão cabeças de chave por sempre participarem da Libertadores.

O Nacional, por exemplo, esteve presente, seguidamente, nas últimas 21 edições (contabilizando a classificação para 2017).

Líder geral do ranking da Conmebol, o Boca Juniors é um bicho-papão que não se classificou. Caso estivesse presente, seria o principal cabeça de chave.

Sem a equipe argentina, o melhor pontuador do ranking da Libertadores, que estará no pote 1, é o atual campeão Atlético Nacional, da Colômbia. Só pelo título de 2016, os verdolagas ganharam mil pontos. O campeão de 2015, River Plate, ganha 900 pontos pelo título, em um sistema de depreciação e será o segundo cabeça de chave, segundo levantamento do site espn.com.br. Ou seja, quanto mais recente o título, mais pontos recebe a equipe.

O Estudiantes, campeão de 2009, ganha 300 pontos neste critério. O Atlético, campeão em 2013, receberá 700 pontos, além do coeficiente histórico, participações em semifinais, quartas, oitavas, número de vitórias e empates nas fases de grupos.

Em 2016, o Galo foi cabeça de chave de um grupo que teve Melgar, Del Valle e Colo-Colo. No último ranking divulgado pela Conmebol, a equipe alvinegra somava 3.190 pontos, sendo o sexto melhor brasileiro da lista, atrás de São Paulo, Corinthians, Santos, Internacional e Cruzeiro.

Taça

A Chapecoense já foi proclamada campeã da Copa Sul-Americana de 2016 e estará, pela primeira vez, na Libertadores. A equipe catarinense, vítima de um acidente aéreo no fim de novembro, receberá a taça da competição hoje, durante a cerimônia de sorteio dos grupos, na sede da Conmebol, no Paraguai.

Como estreará na maior competição de clubes da América, a Chapecoense ficará no pote 4 do sorteio.